Vendas no Natal crescem 4,7% em 2017 depois de três anos em queda

De acordo com SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, a data registrou o aumento mais expressivo do ano na comparação com outros dias comemorativos

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

As consultas para vendas a prazo no período de 18 a 24 de dezembro aumentaram 4,72% na comparação com 2016 (iStock)

Acessibilidade


As vendas a prazo para o Natal cresceram em 2017 depois de três anos consecutivos de retração, de acordo com dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) nesta terça-feira (26).

LEIA MAIS: Presentes de Natal para pequenos bilionários

As consultas para vendas a prazo no período de 18 a 24 de dezembro aumentaram 4,72% na comparação com 2016, sendo a data comemorativa de 2017 com o aumento mais expressivo, conforme as entidades.

A Páscoa teve acréscimo de 0,93% e o Dia das Crianças de 3%, enquanto o Dia das Mães apurou queda de 5,50%, o Dia dos Namorados teve recuo de 9,61% e o Dia dos Pais baixa de 2,18%.

Nos últimos anos, as vendas a prazo no Natal tiveram quedas de 1,46% (2016), 15,84% (2015) e 0,7% (2014).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, o resultado é consequência da melhora da conjuntura e da proximidade do fim da crise econômica. “O acesso ao crédito mais difícil e os juros elevados ainda limitam o poder de compra dos brasileiros, mas com a economia dando sinais de retomada, os consumidores foram às compras de forma menos tímida que nos últimos anos e também nas outras datas comemorativas de 2017”, afirmou em nota.

VEJA TAMBÉM: O ano em que os robôs decidiram roubar o Natal

Ele acrescentou, contudo, que o crescimento deste ano ainda está longe dos resultados dos anos anteriores à crise econômica.

Ainda segundo o levantamento do SPC Brasil, o gasto médio do brasileiro com o total de presentes de Natal girou em torno de R$ 461,91. A estimativa era de que a data movimentasse cerca de R$ 51 bilhões na economia.

Compartilhe esta publicação: