Boeing terá fatia de 51% em nova empresa com Embraer

Com o contrato proposto, a empresa seria o líder do mercado de aviões menores de passageiros

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Com o contrato proposto, a Boeing seria o líder do mercado de aviões menores de passageiros. (iStock)

Acessibilidade


A Boeing terá uma participação de 51% em uma empresa atualmente em negociação com a fabricante brasileira de aeronaves Embraer, informou o colunista do jornal “O Globo”, Lauro Jardim, neste domingo.

VEJA TAMBÉM: Negociações entre Boeing e Embraer para criação de terceira empresa caminham bem, diz Jungmann

A Boeing concordou com a exigência do governo brasileiro de que a empresa norte-americana não tenha mais do que uma participação controladora de 51%, disse Jardim, sem citar fontes.

A Boeing não respondeu imediatamente a pedidos de comentários. A Embraer afirmou que não vai comentar a informação.

A Boeing procurou a aprovação do governo brasileiro para uma parceria com a Embraer que criaria uma nova empresa focada na aviação comercial, excluindo a unidade de defesa da Embraer, reportou a Reuters há três semanas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O jornal “Valor Econômico” informou posteriormente que a proposta da Boeing daria a ela uma participação de 80% a 90% em um novo negócio de jatos comerciais com a Embraer, terceira maior fabricando de aviões e líder no mercado de jatos regionais com 70 a 130 lugares.

Com o contrato proposto, a Boeing seria o líder do mercado de aviões menores de passageiros, criando concorrência mais forte para o programa de aeronaves CSeries projetado pela Bombardier do Canadá e apoiado pelo rival europeu Airbus.

LEIA: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

O plano inicial da Boeing para comprar a Embraer foi rejeitado pelo governo brasileiro porque este não queria uma empresa estrangeira controlando sua unidade de defesa por razões de segurança estratégica.

O governo mantém uma “golden share” na Embraer, anteriormente uma empresa estatal, que lhe dá poder de veto sobre decisões estratégicas, incluindo a aproximação da Boeing.

Na quinta-feira (22), o ministro da Defesa brasileiro, Raul Jungmann, disse a repórteres que a Boeing entendeu a recusa do Brasil em desistir do controle da Embraer. Ele disse que as negociações sobre a criação de uma terceira empresa estavam avançando bem.

Compartilhe esta publicação: