Lojas Americanas planeja abrir cerca de 200 lojas em 2018

Desse total, 10 já foram abertas e outras 90 foram contratadas

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

A empresa abriu um total recorde de 195 lojas em 2017 (iStock)

Acessibilidade


A Lojas Americanas planeja inaugurar cerca de 200 lojas este ano, sendo que 10 já foram abertas e outras 90 já foram contratadas, disse o diretor financeiro da rede de varejo, Carlos Padilha.

LEIA MAIS: Lojas Americanas aprova oferta primária de ações

O número estimado para este ano fica em linha com 2017, quando a empresa abriu um total recorde de 195 lojas, entrando em 85 novas cidades.

Em relação às lojas de conveniência, com seis unidades abertas no ano passado, Padilha afirmou que a empresa vem estudando formas de melhorar o projeto para ganhar mais mercado e expandir no negócio. “A gente vê um potencial incrível de abrir uma quantidade enorme de lojas de conveniência no Brasil”, disse hoje (8) o executivo em teleconferência, sem detalhar a quantidade de lojas.

Na véspera, a empresa divulgou seu resultado do quarto trimestre, com alta de 11,4% no lucro ante um ano antes, para R$ 284,7 milhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 1,9%, para R$ 849,1 milhões, enquanto a margem Ebitda ajustada recuou 1,5% no período, para 22,1%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A queda na margem, segundo a empresa, reflete o aumento das despesas operacionais no período devido ao maior número de lojas abertas.

INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA

Em relação a Let’s, nova empresa da Lojas Americanas e da B2W, Padilha afirmou que a companhia foi criada para fazer gestão dos ativos de logística das duas e criar mais sinergias conforme as empresas ganham escala. “Nosso negócio é de escala e como um dos principais pilares é a logística, esse também é de escala”, disse o executivo.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Segundo o executivo, nada muda do ponto de vista societário e contábil das companhias com a criação da Let’s. Cada uma seguirá com seus ativos e a Let’s fará a gestão de forma combinada.

“Se tiver um trabalho que é das duas e, por conta disso, tenha que fazer um rateio de despesas, vamos fazer isso”, disse.

Compartilhe esta publicação: