Monsanto bancará empresa voltada à edição de genes

A Pairwise Plants substituirá a tecnologia de modificação genética em uso até então.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

A edição de genes pode produzir produtos agrícolas não geneticamente modificados e sem DNA de espécies diferentes (iStock)

Acessibilidade


A Monsanto vai financiar uma nova companhia dos Estados Unidos direcionada ao desenvolvimento de safras usando uma tecnologia conhecida como edição de genes, em vez da modificação genética que ajudou a empresa a se tornar a maior vendedora de sementes do mundo.

LEIA MAIS: Bayer deve ter aprovação da UE para negócio de US$ 62,5 bi com Monsanto, dizem fontes

O vice-presidente de biotecnologia global da Monsanto, Tom Adams, deixará a gigante de sementes para se tornar executivo-chefe da nova empresa, chamada Pairwise Plants, disseram as companhias à Reuters. Ele começa no novo cargo em 1º de abril.

A colaboração acelera a corrida entre os cientistas e empresas agrícolas ao redor do mundo a desenvolver novas sementes para safras usando edição de genes, um processo que pode produzir produtos agrícolas não geneticamente modificados e sem DNA de espécies diferentes.

Ao contrário dos geneticamente modificados tradicionais, nos quais um gene é acrescentado a outro organismo, a edição de genes funciona como a função “encontrar e substituir” em ferramentas de texto. A tecnologia encontra um gene e então faz mudanças, corrigindo-o ou eliminando-o.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Usar “tesouras moleculares” para cortar DNA significa que cientistas podem editar genomas mais precisa e rapidamente do que antes, e produtos agrícolas alterados podem chegar ao mercado mais baratos e mais rápido.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

A Monsanto, famosa por projetar sementes de soja para resistir ao herbicida Roundup, pagará US$ 100 milhões à Pairwise durante os próximos cinco anos para financiar a pesquisa de ferramentas de edição de genes, disse Adams em entrevista.

Compartilhe esta publicação: