Amazon terá dificuldades para crescer no Brasil

Para Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza, país tem muitas especificidades

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

“A Amazon terá dificuldades para crescer no Brasil pelo fato de a realidade do país ser diferente da realidade do mercado no exterior”, afirmou Trajano

Acessibilidade


A gigante norte-americana de comércio eletrônico Amazon terá dificuldades para crescer no Brasil na mesma velocidade que tem feito em outros mercados, dadas algumas especificidades do país, disse hoje (10) o presidente-executivo do Magazine Luiza, Frederico Trajano.

LEIA MAIS: Amazon reúne fabricantes em SP para negociar compra direta

“A Amazon terá dificuldades para crescer no Brasil pelo fato de a realidade do país ser diferente da realidade do mercado no exterior”, afirmou Trajano, durante evento do Itaú Unibanco. “Existem três jabuticabas brasileiras que são barreiras à atuação de empresas de e-commerce internacionais no Brasil: a infraestrutura logística, a estrutura tributária e o custo de capital”, acrescentou Trajano.

A Amazon se tornou, em março, a segunda empresa norte-americana na bolsa de maior valor de mercado, superando o Google, da Alphabet. As ações da gigante de comércio eletrônico subiram cerca de 80% no último ano, na esteira de crescentes compras online e da transferência das operações de computação das empresas para a nuvem, mercado que a Amazon lidera.

Recentes notícias de uma atuação mais intensa da Amazon no Brasil têm provocado forte volatilidade nas ações de empresas domésticas de varejo, inclusive do próprio Magazine Luiza.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em março, a Reuters antecipou que a Amazon se reuniu com fabricantes de eletrônicos, perfumaria e outros produtos para negociar a compra direta de mercadorias e se encarregar da armazenagem e entrega delas no Brasil.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Para Trajano, no entanto, questões como logística devem criar desafios para o grupo norte-americano no país. “É uma realidade muito diferente daquela das empresas que prosperam lá fora”, disse o executivo.

Compartilhe esta publicação: