Didi Chuxing endurece regras de transporte compartilhado

Em alguns horários, motoristas só atenderão passageiros do mesmo sexo

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

Em alguns horários, motoristas só atenderão passageiros do mesmo sexo

Acessibilidade


Maior empresa de transporte compartilhado da China, a Didi Chuxing disse hoje (13) que seus motoristas somente poderão pegar passageiros do mesmo sexo na madrugada e no fim da noite, em um esforço para recuperar a confiança após o assassinato de uma passageira no início deste ano.

LEIA MAIS: Didi Chuxing lança serviço de transporte no México

Depois do crime, que foi noticiado e discutido amplamente nas redes sociais, a Didi limitou as horas de serviço de compartilhamento de automóveis das 6h às 22h, e tomou outras medidas. Com a nova política entrando em vigor em 15 de junho, a empresa decidiu ampliar o horário de atendimento das 5h às 24h.

Porém, entre 5h e 6h e 22h e 24h, os motoristas do serviço de transporte só poderão pegar passageiros do mesmo sexo, disse a Didi no comunicado.

Os movimentos seguem o assassinato, em maio, de uma comissária de bordo de 21 anos que ia de um hotel do aeroporto para o centro de Zhengzhou, supostamente pelo motorista do Didi que contornou os controles de segurança do aplicativo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Como parte das novas medidas, a companhia disse que planeja testar o “modo escolta” em um programa piloto de pequena escala a partir de 22 de junho. Com o recurso aberto no aplicativo, os passageiros podem compartilhar suas rotas e destinos com seus contatos de emergência.

A empresa de compartilhamento de corridas pediu desculpas pela morte da passageira. A Didi disse, na época, que seu mecanismo de reconhecimento facial estava com defeito e não conseguiu verificar o motorista que supostamente matou a passageira.

LEIA MAIS: Chinesa Didi Chuxing lançará plataforma de compartilhamento de bicicletas

O suspeito do sexo masculino usou uma conta de motorista que pertencia a seu pai, contrariando a política da empresa, disse a Didi na ocasião.

A Didi Chuxing – que está avaliada em US$ 50 bilhões e tem o SoftBank Group como grande investidor – está expandindo fortemente no exterior, visando novos mercados no México, Brasil e Austrália, onde vai concorrer diretamente com o Uber.

Compartilhe esta publicação: