Grupo Abril pede recuperação judicial

Empresa citou dívidas de R$ 1,6 bi e restrição de capital de giro.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Empresa citou dívidas de R$ 1,6 bi e restrição de capital de giro

Acessibilidade


O Grupo Abril protocolou hoje (15) em São Paulo um pedido de recuperação judicial de suas empresas, citando dívidas de R$ 1,6 bilhão.

LEIA MAIS: Dólar sobe 0,87% e volta a R$ 3,90

O pedido de recuperação judicial engloba todas as companhias operacionais do grupo, incluindo a Abril Comunicações e as empresas de distribuição de publicações, agrupadas dentro da Dipar Participações, e de distribuição de encomendas Tex Courier.

“Esse movimento se deve à necessidade do grupo em buscar proteção judicial para a repactuação de seu passivo junto a bancos e fornecedores e, dessa forma, garantir sua continuidade operacional”, afirmou o grupo em comunicado. A companhia afirmou que a decisão foi motivada por “uma situação de instabilidade junto a seus credores e ações abruptas de restrição de seu capital de giro”.

O grupo criado em 1950 por Victor Civita tem enfrentado nos últimos anos crescente migração de receitas publicitárias de meios impressos para mídias digitais, encabeçadas mais recentemente por Google e Facebook.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na semana passada, a Abril anunciou o fechamento de 10 títulos, incluindo revistas conhecidas como “Elle”, “Boa Forma”, “VIP”, “Viagem e Turismo” e “Casa Claudia”, além da demissão de cerca de 500 funcionários, incluindo 100 jornalistas. Outros 15 títulos, incluindo o da revista “Veja”, foram mantidos.

Em julho, a Abril tinha passado o comando executivo do grupo para a consultoria Alvarez & Marsal, especializada em processos de recuperação judicial.

Compartilhe esta publicação: