Huawei ultrapassa Apple na venda de smartphones

Chinesa detém 15% do mercado, contra 12% da norte-americana e 20% da Samsung.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

O aumento estimado da participação ocorre com a desaceleração do maior mercado de celulares do mundo, a China

Acessibilidade


A chinesa Huawei Technologies ultrapassou a Apple para se tornar a segunda maior vendedora de smartphones do mundo no trimestre encerrado em junho, mostraram dados de uma empresa de pesquisa, uma vez que ganhou terreno na Europa e expandiu sua liderança no mercado chinês.

LEIA MAIS: Receita da Huawei sobe 15% no 1º semestre

O aumento estimado da participação ocorre com a desaceleração do maior mercado de celulares do mundo, a China. A Huawei também conseguiu superar os rivais ao vender mais celulares repletos de recursos, disseram analistas.

“A Huawei está mudando para modelos de maior valor agregado, lançando smartphones com os mais recentes recursos. O P20 Pro é o primeiro celular a ser equipado com câmeras triplas, superando concorrentes no mercado”, disse em nota o analista da IHS Markit, Gerrit Schneemann.

A Huawei informou ontem (31) que obteve uma receita 15% maior nos primeiros seis meses de 2018, estável nos níveis observados um ano atrás.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

De acordo com a IHS e a Strategy Analytics, a Huawei tinha mais de 15% do mercado mundial de smartphones durante o segundo trimestre do ano, ultrapassando os cerca de 12% da Apple e atrás apenas da Samsung Electronics, que tem quase 20% de participação.

Dados da Canalys, que estima que as vendas da indústria de smartphones na China superaram 100 milhões no trimestre até junho, ante 91 milhões nos três primeiros meses do ano, mostram que a Huawei aumentou sua participação no mercado doméstico em 6% no ano, para um recorde de 27%.

VEJA TAMBÉM: Best Buy corta laços com chinesa Huawei, diz fonte

O mercado chinês é fundamental para a Huawei, uma vez que a empresa vem sendo criticada pelos Estados Unidos, Austrália e outros países por preocupações de que a fabricante poderia facilitar a espionagem do governo da China.

A empresa foi virtualmente excluída dos Estados Unidos, já que nenhuma das principais operadoras de telefonia vendem seus smartphones.

A Huawei tem negado facilitar a espionagem e disse que é uma empresa privada que não está sob controle do governo chinês e não está sujeita às leis de segurança chinesas no exterior.

Compartilhe esta publicação: