CEO da GE renuncia e ações sobem 15% no pré-mercado

Renúncia vem com anúncio de despesa de US$ 23 bi em negócios de energia.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Alwyn Scott/Reuters
Alwyn Scott/Reuters

John Flannery, agora ex-presidente da General Electric (GE), em 26/06/2018

Acessibilidade


O presidente-executivo da General Electric (GE), John Flannery, renunciou de forma inesperada hoje (1º), pouco mais de um ano depois de assumir o cargo. A renúncia veio junto com o anúncio, por parte da gigante de eletro-eletrônicos, de uma despesa de US$ 23 bilhões com os negócios de energia, que enfrentam dificuldades. O negócio de energia da empresa, atingido por problemas com sua última geração de turbinas a gás, registrou um prejuízo de US$ 10 bilhões no ano passado. A companhia disse que ficaria aquém das projeções anteriormente divulgadas para o fluxo de caixa livre e lucro por ação para 2018 devido à fraqueza em seu negócio de energia.

LEIA MAIS: General Electric tem prejuízo de US$ 10 bi

A saída de Flannery coloca em dúvida planos para reorganizar uma das corporações mais tradicionais da economia norte-americana. Ele havia prometido transformar a GE em uma empresa mais enxuta, cortando empregos e vendendo vários negócios. A reação na bolsa de valores, no entanto, ao menos até o início do pregão, foram positivas: as ações da empresa subiram 15%. Os papéis da companhia perderam mais da metade do valor desde que Flannery assumiu o cargo, em agosto do ano passado.

A saída de Flannery da GE foi causada pelo “ritmo lento de mudança” da empresa sob sua liderança, informou a CNBC. Flannery será substituído por H. Lawrence Culp Jr., que teve o apoio unânime do conselho, disse a empresa. Culp foi incluído no conselho da GE em fevereiro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Compartilhe esta publicação: