JD.com anuncia serviço de entrega ao estilo FedEx

Objetivo é ajudar a empresa a alavancar sua rede de armazéns e motoristas.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

O movimento coloca a JD.com em uma competição maior com a sua principal rival, o Alibaba Group

Acessibilidade


A empresa de comércio eletrônico chinesa JD.com informou hoje (18) que vai adicionar um serviço de entrega de encomendas no estilo FedEx às suas ofertas de e-commerce, uma medida que poderia ajudar a empresa a alavancar sua rede de armazéns e motoristas para reforçar os lucros.

LEIA MAIS: Unilever usará JD.com para transporte na China

O movimento coloca a JD.com em uma competição maior com a sua principal rival, o Alibaba Group, bem como com empresas dedicadas à entrega de encomendas domésticas, como ZTO Express e YTO Express Group.

A segunda maior empresa de comércio eletrônico da China disse que o novo serviço permitirá que companhias e pessoas em Pequim, Xangai e Guangzhou enviem pacotes para outros locais na China usando o aplicativo para agendar a retirada por uma de suas equipes.

A rede de logística – que será capaz de entregar a maioria dos pacotes no mesmo dia ou no dia seguinte – só era usada até então para enviar produtos comprados na plataforma de comércio eletrônico da JD.com ou por empresas terceirizadas que alugassem os ativos de logística da plataforma.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Isso marca o próximo passo na alavancagem da rede logística nacional que a JD construiu na última década”, disse em comunicado o presidente-executivo da JD Logistics, Zhenhui Wang.

VEJA TAMBÉM: SAP e Alibaba se unem para oferecer serviços em nuvem

A empresa, que tem como investidores Tencent Holdings, Walmart e Google, da Alphabet, registrou um prejuízo líquido de US$ 334,4 milhões no segundo trimestre, quase o dobro da perda esperada por analistas, em meio ao aumento de investimento e à desaceleração das vendas.

O mercado de entrega expressa da China valia cerca de 976 bilhões de iuanes (US$ 140 bilhões) no ano passado, informou o Departamento de Correios chinês em janeiro, 32% a mais do que em 2016. As empresas de entrega despacharam cerca de 40 bilhões de encomendas no ano passado.

Compartilhe esta publicação: