Credit Suisse testa blockchain em fundos

Tecnologia foi usada para processar operações em aplicações de investimento

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

O Credit Suisse confirmou que o teste do bockchain foi realizado

Acessibilidade


O braço de gestão de ativos do Credit Suisse testou com sucesso o blockchain para processar operações de fundos de investimento, tornando-se a mais recente instituição financeira interessada na tecnologia que pode acelerar as transações e mantê-las seguras.

LEIA MAIS: Credit Suisse tem lucro abaixo do esperado no 3º tri

O Credit Suisse Asset Management usou uma plataforma baseada em blockchain para processar um número não especificado de transações, um banco online e uma plataforma de roteamento de pedidos.

O Banco Best de Portugal e a plataforma Fundsquare, baseada em Luxemburgo, disseram em comunicado que o teste mostrou que a distribuição transfronteiriça da tecnologia blockchain era “mais eficiente, escalável e oportuna no processamento”.

O Credit Suisse confirmou que o teste foi realizado, mas não informou se o braço de gestão de ativos, que administrava fundos avaliados em mais de US$ 400 bilhões até setembro, usaria a tecnologia mais amplamente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A indústria de fundos de investimento depende muito de transações e liquidações que geralmente são complexas e demoradas para serem processadas.

O blockchain, tecnologia concebida inicialmente para sustentar a criptomoeda bitcoin, é um banco de dados compartilhado projetado para processar e liquidar transações rapidamente. As entradas não podem ser alteradas, portanto são necessárias menos verificações para garantir que as negociações estejam seguras.

Compartilhe esta publicação: