Grupo Itaquerê pede recuperação judicial

Empresa, que atua no agronegócio, tem dívidas de R$ 482 milhões.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Empresa entrou com pedido de recuperação judicial para reestruturar R$ 482 milhões em dívidas

Acessibilidade


O Grupo Itaquerê entrou com pedido de recuperação judicial para reestruturar R$ 482 milhões em dívidas, segundo uma carta da diretoria vista pela Reuters.

LEIA MAIS: Exportação do agronegócio do Brasil bate recorde em 2018

Na carta datada de 21 de março, o grupo, sediado no Estado de Mato Grosso, culpou uma crise econômica prolongada, juntamente com condições climáticas adversas e oscilações cambiais, por seus problemas financeiros. A carta foi assinada pelo grupo, e não por um executivo em particular.

Itaquerê e MLuz, nomeado na carta como consultor financeiro do grupo, não responderam aos pedidos de entrevista ou esclareceram a quem a carta foi enviada.

O Itaquerê é um grupo diversificado do agronegócio que cultiva soja, milho e algodão em uma área total de 53.531 hectares. O grupo também atua em armazéns gerais, concessão de rodovia e construção de pequenas centrais hidrelétricas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A petição do Itaquerê está sob sigilo, mas uma decisão judicial relacionada a ela foi vista pela Reuters. Nessa decisão, um juiz da cidade de Primavera do Leste, onde o grupo está sediado, exigiu informações financeiras e operacionais adicionais para poder processar a recuperação judicial.

VEJA TAMBÉM: Dólar avança com força sobre real

As empresas brasileiras normalmente têm 60 dias para apresentar um plano de reorganização, uma vez concedido o pedido de proteção contra credores por uma vara de falências. O Itaquerê espera ter o pedido de recuperação judicial concedido em poucos dias.

O grupo emprega 735 pessoas em Mato Grosso e Rondônia e espera fazer um acordo com seus credores para manter empregos e operações, disse a carta, sem nomear os credores.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Compartilhe esta publicação: