Ibovespa encerra em queda de mais de 1%

Baixa das ações da Petrobras e do setor bancário pressionaram o índice.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 1,25%, a 94.754,70 pontos

Acessibilidade


O Ibovespa encerrou em queda hoje (11), pressionado por baixa das ações da Petrobras e do setor bancário, em dia de maior cautela no exterior antes do início da temporada de balanços do primeiro trimestre e cena política doméstica relativamente tranquila.

LEIA MAIS: Ibovespa fecha em queda com espera pela Previdência

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 1,25%, a 94.754,70 pontos. O giro financeiro somou R$ 11,61 bilhões.

Para o analista da corretora Genial Filipe Villegas, a queda do índice foi orientada pela falta de notícias quanto à Previdência e pelo declínio dos preços do petróleo no exterior.

“A cautela sobre a Previdência sempre vem acompanhada de uma realização de lucros em algum ponto e isso define bastante o dia, principalmente em relação aos papéis bancários”, acrescentou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nesta quinta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou uma postura mais presente do presidente Jair Bolsonaro no processo de articulação do texto, dizendo que o governo precisa “dialogar, justificar a necessidade da reforma da Previdência, mostrar como ela afetará os negócios no Brasil, o investimento, o emprego, as parcerias público-privadas” para tranquilizar os parlamentares.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa recua mais de 1%

Do front externo, os contratos futuros do petróleo recuaram na sessão, após fontes afirmarem que a Opep pode ampliar produção a partir de julho caso as ofertas de Venezuela e Irã caiam ainda mais e os preços continuem registrando ralis. O declínio pressionou os papéis da Petrobras.

Os índices de Wall Street, por sua vez, encerraram próximos da estabilidade, com investidores aguardando o início da divulgação de balanços corporativos, em meio a temores sobre uma desaceleração do crescimento global.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: