JPMorgan lidera empregos de blockchain em Wall Street

Getty Images
Pesquisa aponta que, pela primeira vez, há mais oportunidades de trabalho do que buscas por empregos no setor

Resumo da matéria

  • JPMorgan continua firme na onda do blockchain e, atualmente, é a empresa financeira que mais divulga vagas de emprego na indústria
  • A instituição revelou o JPM Coin, um plano para usar blockchain e simplificar pagamentos entre seus clientes
  • Pesquisa aponta que, pela primeira vez, há mais divulgações de oportunidades de trabalho do que buscas por empregos no setor

O maior banco norte-americano continua na onda do blockchain e, atualmente, divulga mais empregos na indústria do que qualquer outra empresa financeira. Segundo resultados divulgados na última semana pelo site de vagas Indeed.com, o JPMorgan Chase foi a única instituição financeira das 10 companhias que mais publicaram oportunidades com as palavras “blockchain”, “criptomoedas” ou “bitcoin” no último ano.

LEIA MAIS: Credit Suisse testa blockchain em fundos

Em fevereiro deste ano, o JPMorgan Chase anunciou o JPM Coin, um plano para usar blockchain e simplificar pagamentos entre seus clientes, depois de criar uma versão do ethereum blockchain chamada de Quorum e projetada para permitir que as empresas capitalizassem os benefícios de usar um registro similar ao blockchain do bitcoin, mas com mais controle sobre privacidade e maior velocidade.

As únicas companhias que publicaram mais empregos do que o JPMorgan Chase foram empresas de tecnologia como IBM e Cisco, além de consultorias como Accenture, EY, KPMG e Delloite. Para completar o Top 10 estão Microsoft, a incubadora de ethereum ConsenSys e a pouco conhecida Conduent, que saiu da Xerox em 2017 e construiu plataformas para grandes negócios e governos.

“É notável que há uma falta de instituições financeiras e bancárias contratando para algo que é feito para substituir o dinheiro”, diz Andrew Flowers, economista da Indeed.com, que acompanha tendências de contratação há mais de um ano. Duplamente notável, ele acrescentou, é que, pela primeira vez, há mais divulgações de emprego do que buscas.

No intervalo de tempo entre fevereiro de 2018 e fevereiro de 2019, a parcela de pesquisa de emprego por milhão diminuiu 67%, conta Flowers, correlacionando ainda mais a diminuição com a queda no preço do bitcoin e de outras criptomoedas. “O interesse de quem procura trabalho entrou em colapso porque acompanha o preço da moeda. Além disso, é tão volátil quanto seu valor.”

A pesquisa não especula sobre o motivo pelo qual as vagas aumentaram, apesar da queda do preço, mas uma possibilidade é o recente aumento no número de grandes empresas que exploram a aplicação de blockchain sem criptomoedas. Enquanto o blockchain compartilhado e descentralizado que alimenta o bitcoin primeiro prometia permitir que indivíduos movimentassem qualquer valor sem intermediários como bancos, as companhias estão explorando como registros compartilhados semelhantes podem permitir outras movimentações sem agentes no meio do processo.

VEJA TAMBÉM: JPMorgan concede bolsas de pesquisa em IA

Para dar uma perspectiva mais ampla sobre a tendência, a pesquisa da Indeed.com mostra um aumento de 4.086% em oportunidades de emprego no setor no site desde 2016 e um aumento de 553% em buscas por trabalho no mesmo período. Para ajudar a preencher a lacuna na demanda entre as vagas e a procura, instituições tradicionais, como a Universidade da Califórnia em Berkeley, e programas especializados, como o Blockchain Education Network, estão evoluindo para treinar talentos promissores.

A demanda para essas vagas estão amplamente centradas em áreas previsíveis, com o Vale do Silício e São Francisco dominando as duas primeiras posições para a maioria das oportunidades, seguidos da Cidade de Nova York, Newark (em Nova Jersey) e Jersey City, que ficaram em 3o lugar. Para completar as principais localizações que publicam trabalhos com as palavras “blockchain”, “criptomoedas” ou “bitcoin” estão Austin, Texas, Seattle, Denver, Washington, Boston e Los Angeles.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).