Slack divulga prejuízo de US$ 141 milhões

Forbes
Forbes

Dono do popular aplicativo de mensagens está se preparando para o IPO

O dono do popular aplicativo de mensagens instantâneas Slack registrou hoje (26) forte crescimento do número de usuários e prejuízo anual de US$ 140,7 milhões enquanto se prepara para listar suas ações na bolsa.

LEIA MAIS: Slack deve divulgar IPO ainda esta semana

Com sede em São Francisco, a Slack busca listagem direta, sem participação de bancos, modelo similar ao do Spotify no ano passado. A empresa revelou que sua base de usuários superou 10 milhões de usuários ativos diários no fim de janeiro.

Apenas 88 mil deles eram assinantes pagantes, mas isso aumentou quase 50% em relação ao ano anterior e mais do que o dobro dos 37 mil que tinha em 2017, mostrou o relatório.

A empresa informou que possui mais de 500 mil organizações em seu plano de assinatura gratuito e que a receita saltou 82% em relação ao ano passado, para US$ 400,6 milhões, e acima dos US$ 105 milhões de 2017.

A Reuters informou anteriormente que a empresa previa ter uma avaliação de mais de US$ 10 bilhões na listagem, o que deve acontecer dentro de algumas semanas.

O grande problema da empresa, como muitas startups, é o custo. As despesas operacionais totais aumentaram 49%, para US$ 503,5 milhões no ano fiscal de 2019, em grande parte devido a maiores custos de vendas e marketing.

VEJA TAMBÉM: Slack espera valer mais de US$ 10 bi em IPO

“É uma empresa de tecnologia clássica com escalabilidade”, disse Jay Ritter, especialista em IPO e professor da Universidade da Flórida. “Existe potencial de lucratividade nos próximos anos, com lucros em rápido crescimento depois disso.”

A empresa, que deve se listar na Bolsa de Nova York, teve prejuízo de US$ 181 milhões no ano anterior.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).