Alibaba supera expectativas de receita

Computação em nuvem levou ao resultado da gigante de e-commerce.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

O Alibaba reportou aumento de 51% na receita do grupo de janeiro a março

Acessibilidade


O gigante de comércio eletrônico chinês Alibaba superou as previsões de receita do quarto trimestre ontem (16), graças ao crescimento de seu principal negócio e à diversificação para a computação em nuvem e outros serviços.

LEIA MAIS: Foxconn vende US$ 398,4 milhões em ações do Alibaba

O Alibaba investiu em novas linhas de negócios, como a computação em nuvem, na medida em que o boom de seu comércio eletrônico atingiu o pico e o crescimento da receita está desacelerando.

A empresa reportou aumento de 51% na receita do grupo de janeiro a março em relação ao ano anterior, para 93,5 bilhões de iuans (US$ 13,6 bilhões), superando as estimativas de 91,58 bilhões de iuans, segundo dados do IBES do Refinitiv.

As vendas excluindo receitas de negócios consolidados cresceram 39% na comparação ano a ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O grupo disse que o lucro líquido atribuível aos acionistas ordinários subiu para 25,83 bilhões de iuans, de 7,56 bilhões de iuans no mesmo período do ano anterior.

O Alibaba obtém receitas principalmente na venda de serviços promocionais e de publicidade para empresas terceirizadas que listam produtos no Taobao e no Tmall, dois de seus sites de comércio eletrônico, mas investiu pesadamente em computação em nuvem nos últimos anos.

A receita do negócio de computação em nuvem da empresa aumentou 76% no quarto trimestre, disse. O segmento ainda é parte relativamente pequena dos negócios globais da Alibaba, representando 8% da receita do grupo no quarto trimestre.

VEJA TAMBÉM: Alibaba está por trás de app do governo chinês

No entanto, a empresa é agora a terceira maior fornecedora de serviços em nuvem do mundo, atrás da Microsoft e da Amazon, e a maior da China com participação de mercado de mais de 40%, segundo dados da IDC.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: