CVM acusa Joesley de irregularidades no Banco Original

O processo é resultado de uma investigação iniciada em abril do ano passado

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters

O processo sancionador aberto nesta segunda é resultado de uma investigação iniciada em abril do ano passado

Acessibilidade


A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) acusou na última segunda-feira (27) o empresário Joesley Batista de envolvimento em operações irregulares realizadas pelo Banco Original, do grupo J&F, do qual é sócio.

LEIA MAIS: Eldorado, de Joesley Batista, emitirá até US$ 500 mi

O processo sancionador aberto nesta segunda é resultado de uma investigação iniciada em abril do ano passado sobre acusação de prática não equitativa do Banco Original com derivativos de taxas de juros feitos antes de um acordo de delação premiada de Joesley e outros executivos do grupo J&F.

Em nota, a J&F afirmou que “as operações de derivativos em análise são usuais e regulares, realizadas com base em critérios técnicos, dentro dos limites operacionais previamente estabelecidos e sempre dentro das normas dos órgãos reguladores”.

Joesley, ex-presidente-executivo da JBS, mais importante empresa do grupo, já foi alvo de outro processo da CVM sob acusação de ter ganhado dinheiro no mercado financeiro explorando a volatilidade causada na esteira de seu acordo de delação premiada, no qual admitiu ter pago propinas a centenas de políticos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Além de Joesley, são acusados de envolvimento a própria J&F e o executivo Emerson Loureiro.

“Agora, os acusados terão prazo para apresentarem suas defesas”, afirmou a CVM, segundo documentação à qual a Reuters teve acesso.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: