LATAM Airlines tem prejuízo no 1º trimestre

Queda foi causada por dólar forte e demanda fraca na Argentina.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Forbes
Forbes

Maior companhia aérea da América Latina, divulgou ontem (16) prejuízo de US$ 60 milhões no primeiro trimestre

Acessibilidade


A LATAM Airlines, maior companhia aérea da América Latina, divulgou ontem (16) prejuízo de US$ 60 milhões no primeiro trimestre, ante lucro de US$ 92 milhões no mesmo período do ano passado, em razão do dólar mais forte e fraca demanda na Argentina.

VEJA TAMBÉM: Latam registra lucro de US$ 149 milhões no 4º tri

A empresa disse em comunicado que estava reduzindo sua previsão de crescimento em seus voos internacionais para no máximo 2%, ante estimativa anterior de expansão entre 3% e 5%.

No Brasil, maior mercado doméstico da LATAM, a aérea afirmou que estava elevando sua projeção para crescimento de capacidade entre 5% e 7% em razão da crise enfrentada pela rival Avianca Brasil, que está em processo de recuperação judicial.

Ainda assim, o desempenho no Brasil não deve compensar o menor crescimento nos voos internacionais, que representam mais de 50% da receita total da companhia aérea, o dobro do valor atual do mercado interno brasileiro, de acordo com as demonstrações financeiras.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em resposta à fraca demanda da Argentina, que está sofrendo com a inflação, a LATAM informou que cortou duas rotas internacionais e está em processo de corte de mais duas.

E AINDA: Latam Airlines reduz plano de frota em US$ 2,3 bi

A LATAM e seus concorrentes, incluindo a brasileira Gol Linhas Aéreas Inteligentes, vêm enfrentando uma pressão crescente nos últimos trimestres devido à desvalorização das moedas de mercados emergentes, especialmente o real e o peso argentino.

Enquanto os passageiros pagam pelas passagens em grande parte nas moedas nacionais, custos significativos de viagens aéreas são denominados em dólares norte-americanos, entre eles o preço do combustível e dos arrendamentos de aeronaves.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: