Por que o Instituto Êxito pode revolucionar o empreendedorismo de jovens carentes

Divulgação
Entidade fundada por 34 empreendedores de renome, como Janguiê Diniz, em menos de um mês, já conta com mais de 150 associados

A vontade de empreender no Brasil deixou de ser apenas um desejo e se transformou em um movimento. A prova disso está nos números que a Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor) aponta: de 2007 a 2017, o número de empreendedores no Brasil saltou de 14,6 milhões para 49,3 milhões. Embora os dados sejam promissores, os empreendimentos que não conseguem se firmar ou progredir são numerosos, e isso acaba não contribuindo para o desenvolvimento do país.

Empreender no Brasil ainda é muito desafiador e, quando não se tem qualificação, a situação fica ainda mais complicada. E é exatamente por conhecer tão bem essa realidade que um grupo de 34 empreendedores de sucesso se uniu para fundar o Instituto Latino-Americano de Empreendedorismo, Inovação e Desenvolvimento Sustentável – Instituto Êxito, com sede em São Paulo. O lançamento oficial aconteceu no dia 22 de maio, e a entidade já conta com mais de 150 associados.

À frente da iniciativa estão nomes de peso do empreendedorismo nacional como Alfredo Soares (head global de SMB da VTEX), Antônio Carbonari Netto (fundador da Anhanguera Educacional), Celso Niskier (fundador e presidente do Centro Universitário Unicarioca), Cândido Pinheiro de Lima (vice-presidente do Hapvida), Eduardo Alcalay (presidente do Bank Of America/ Merrill Lynch), Fábio Coelho (presidente do Google Brasil), Fernando Seabra (diretor da Fiesp), Gustavo Caetano (presidente da Samba Tech), Geraldo Rufino (fundador e presidente da JR Diesel), Gabriel Mário Rodrigues (fundador da Universidade Anhembi Morumbi), João Kepler (fundador e presidente do Fundo de Investimentos Bossa Nova), João Appolinário (fundador e presidente da Polishop), Janguiê Diniz (fundador e controlador do grupo Ser Educacional), José Olympio (presidente do Banco Credit Suisse no Brasil), Mário Spaniol (fundador e presidente da Carmen Steffens), e Rafael Furlanetti (diretor da XP Investimentos), entre outros.

Para entender exatamente como o Instituto Êxito de Empreendedorismo vai funcionar, seus projetos, planos de ação, o impacto que a iniciativa vai gerar no segmento e quem serão os beneficiados, conversamos, em uma entrevista exclusiva, com o presidente do Instituto, Janguiê Diniz.

Instituto Êxito: Como surgiu o desejo de criar o Instituto Êxito de Empreendedorismo?

Janguiê Diniz: O empreendedorismo é algo que me fascina. Aliás, a minha trajetória de vida é marcada por experiências empreendedoras, por exemplo, a caixa de engraxate que montei aos 7 anos de idade para ganhar alguns trocados. Nas palestras que costumo fazer pelo país, percebo o interesse e a vontade de milhares de pessoas em empreender. Entretanto, é comum a todas elas a dificuldade em iniciar, ser acompanhadas e saber quais os caminhos seguir para prosperar. Após um longo período de observação, atrelado a um desejo pessoal e íntimo de ajudar as pessoas a transformarem seus sonhos empreendedores em realidade, comecei a mobilizar alguns empreendedores amigos. Acredito que o papel que nos cabe é usarmos nossa experiência para mostrar que todos têm o potencial necessário não apenas para “aprender a pescar”, mas também para produzir a própria vara de pesca e transformar o resultado dessa “pescaria” em uma iniciativa capaz de gerar trabalhabilidade, riquezas, renda e empregos, modificando para melhor a realidade que nos cerca. É esse o princípio fundamental do Instituto Êxito: incentivar e apoiar o empreendedorismo nos jovens carentes, a livre iniciativa e a ética nos negócios. Estamos empenhados em fortalecer a cultura empreendedora do nosso país.

IÊ: Como vai funcionar o Instituto?

JD: O Instituto oferece programas de desenvolvimento pessoal e profissional para um público que deseja empreender. O objetivo primacial do Êxito é despertar o empreendedor que existe dentro de cada jovem, com atenção, sobretudo, para os jovens carentes e estudantes de instituições de ensino públicas, de nível médio (escolas públicas) e universitário. O eixo central do Instituto é ofertar uma ampla plataforma de cursos on-line com foco no empreendedorismo. Esses cursos terão autoria de grandes nomes do mercado nacional e serão apresentados de maneira gratuita para os beneficiários. Além disso, o Instituto vai atuar em âmbito nacional e, posteriormente, internacional, com a realização de congressos, seminários, palestras, debates, conferências, workshops, oficinas, reuniões, estudos, fóruns, hackathons, mentorias de grandes empreendedores, uma metodologia de ensino atrelada à gamificação, que incluirá, inclusive, torneios, e muitas outras ações.

IÊ: Janguiê, quem poderá se beneficiar com o Instituto?

JD: Nossos programas de desenvolvimento pessoal e profissional serão dirigidos especialmente para os jovens de nível médio e universitário das instituições públicas de ensino que estejam interessados em se qualificar e aprender. Mas o programa de participação engloba cinco categorias. A primeira categoria é para todos aqueles jovens, especialmente de escolas públicas, que querem criar empresas e buscam uma forma de despertar seu próprio potencial para colocar suas ideias em prática. A segunda categoria engloba aqueles jovens que não pretendem criar empresas, mas que pretendem ser empreendedores em suas atividades como profissionais liberais, autônomos etc. e precisam de qualificação. A terceira categoria reúne aqueles jovens que não pretendem criar empresas com fins lucrativos, mas, instituições sem fins lucrativos, Oscips ou ONGs, para gerar bem-estar social, procurando buscar soluções para os diversos problemas sociais, ambientais, étnicos, culturais etc. A quarta categoria compreende aqueles jovens que não pretendem criar empresas, mas que pretendem atuar empreendedoramente, visando criar novos produtos, serviços, tecnologias, estratégias e negócios, na qualidade de empregado ou prestador de serviços da companhia em que trabalha ou presta serviços, ou seja, que pretende ser empreendedor internamente, ou intraempreendedor. E a quinta categoria reúne todos os que já se consolidaram, ou que começaram a se consolidar em suas profissões ou em seus empreendimentos, mas que necessitam se reciclar, aperfeiçoar-se e renovar seus conhecimentos, estratégias e ideias.

IÊ: Você falou sobre uma ampla plataforma de cursos. Quais cursos serão ofertados?

JD: A plataforma será alimentada por diversos cursos com abordagens variadas e que estejam relacionadas ao mundo dos negócios. Esses cursos serão de autoria dos empreendedores e estarão disponíveis de forma gratuita. O objetivo é ajudar os potenciais empreendedores de instituições de ensino públicas a adquirirem habilidades e competências para se desenvolverem pessoal, profissionalmente e empreendedoramente. Os primeiros cursos serão: 1) Empreendedorismo com Êxito – Curso Básico de Desenvolvimento das Habilidades para Empreender no Século XXI, de autoria de boa parte dos nossos fundadores; 2) Passos para o Sucesso – Curso online sobre desenvolvimento pessoal e profissional, composto por nove módulos, de minha autoria; e 3) A Arte de Empreender – Manual para Empreender e para Gerir Empresas de Sucesso – curso on-line sobre empreendedorismo, composto por 27 módulos, também de minha autoria; entre outros.

IÊ: O lado filantrópico tem sido uma vertente muito importante dentro das ações do Instituto. Como ele vai funcionar?

JD: O Instituto é uma associação civil, sem fins lucrativos, apartidária, apolítica, com ações de cunho eminentemente social e filantrópico. Como disse, ele oferecerá centenas de cursos on-line, palestras e programas de estudos, voltados para o empreendedorismo e para o desenvolvimento pessoal e profissional dos jovens das instituições públicas, não só do Brasil, mas também de países da América Latina, todos gratuitos, objetivando fomentar um movimento nacional chamado de cidadão empreendedor, no qual todo participante de qualquer curso, seminário ou qualquer atividade gratuita do Instituto terá de oferecer uma contrapartida social visando formar uma grande corrente de solidariedade e sustentabilidade social e humanitária, chamada “Êxito Social”. Assim, o potencial empreendedor que for beneficiário de um módulo de um curso, ou de um curso, oferecido pelo Instituto só poderá ter acesso ao segundo se comprovar que efetuou determinada atividade de forma voluntária, por exemplo, o desenvolvimento de projetos sociais, ambientais, culturais e educacionais que estarão listados no site e que serão objetos de fiscalização e certificação.

IÊ: Quais os projetos que serão realizados pelo Instituto?

JD: Além de tudo o que já foi citado, o Instituto ainda criará um Fundo de Investimento para contribuir com ideias e startups de empreendedores que se beneficiarem com qualquer atividade do Instituto, cujos recursos serão captados junto aos sócios fundadores e contribuintes. Será criada, também, uma Aceleradora de Startups, que funcionará como uma incubadora para os empreendimentos dos jovens beneficiados pelo Instituto; a Biblioteca do Empreendedor, que reunirá uma série de livros de grandes empreendedores brasileiros e da América Latina, com o selo do Instituto Êxito; a revista “Empreenda com Êxito”, para disseminar a cultura empreendedora; o game “Trilha do Empreendedor”, que vai conduzir os jovens empreendedores sobre como empreender com sucesso (esse game terá pílulas de aprendizagem e um torneio nacional de empreendedorismo usando o game digital); o Seminário Mensal sobre Empreendedorismo com os Mestres Empreendedores, intitulado “Facing the Giants”, que funcionará com palestras de grandes empreendedores e que terá transmissão aberta para todas as pessoas por meio da TV Êxito on-line; o Pitch Êxito Empreendedor, que consistirá em uma apresentação rápida, por vídeo, do potencial empreendedor falando do seu projeto ou do empreendimento já em andamento e indicando qual mestre gostaria de ter como mentor; o microcrédito do empreendedorismo, com juros sociais; vídeos inspiracionais do projeto “Gente que Faz”, que trará a história dos mestres empreendedores; além de outras iniciativas que podem ser conferidas no site www.institutoexito.com.br.

IÊ: Dentro da cartela de ações do Instituto, existe o projeto Pitch Êxito. Como ele vai funcionar especificamente?

JD: O conceito desse projeto é bem interessante. O Pitch Êxito vai funcionar como uma espécie de “The Voice” do empreendedorismo. O potencial empreendedor ou mentorando terá a possibilidade de enviar um vídeo contando a sua história de vida e qual empreendimento pretende criar ou a apresentação do projeto já em andamento, indicando qual o mestre empreendedor que gostaria de ter como mentor. Os mestres empreendedores assistirão de forma on-line à apresentação e, após a avaliação, poderão aceitar ser o mentor do potencial empreendedor. O site do Instituto contará com um tutorial específico, e o mentorando poderá fazer nele o upload de seu vídeo.

IÊ: O Instituto terá o Prêmio Êxito Latino-Americano do Empreendedorismo. Fale um pouco sobre esse prêmio.

JD: O prêmio irá consagrar pessoas de destaque no âmbito empresarial. A premiação oferece uma significativa contribuição ao fomento do espírito empreendedor no Brasil e na América latina e nasce em reconhecimento ao impacto cada vez maior que os empreendedores exercem na economia de uma nação. O Instituto Êxito está convidando uma galeria de grandes empreendedores para formar a Academia do Empreendedor, do Instituto Êxito. Assim, como a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood elege os indicados ao Oscar, a Academia do Empreendedor irá eleger os nomes que disputarão o prêmio e, ao final, escolherá o vencedor. A premiação será anual, durante o Fórum Latino-Americano de Empreendedorismo, Criatividade, Inovação e Gestão, realizado pelo Instituto Êxito. O prêmio será uma espécie de reconhecimento das pessoas que geram riqueza, renda e empregos para as nações, que são os empreendedores.

IÊ: O Instituto começou suas atividades recentemente e já tem fixada a data do evento Summit Instituto Êxito de Empreendedorismo, Criatividade e Inovação: “Facing The Giants”. Quais os detalhes desse evento?

JD: Estamos desenvolvendo a primeira edição do Summit Instituto Êxito de Empreendedorismo, Criatividade e Inovação: “Facing The Giants”, que será o maior evento desses segmentos no Brasil. Será nos dias 8, 9 e 10 de novembro. A expectativa é de um público de 5.000 participantes, que poderão assistir às 24 palestras espalhadas em três palcos, além de feira de stands, hackathons, torneio de games e muito mais.

IÊ: Por fim, como os interessados devem fazer para participar?

JD: O Instituto engloba dois perfis de participantes. O primeiro deles é como sócio. O sócio não precisa necessariamente ter criado empresas. Qualquer profissional, dentre eles, professores, médicos, engenheiros, profissionais liberais, funcionários públicos etc., que tenha algo a contribuir com a sociedade, e no caso com os jovens de instituições de ensino públicas, pode colaborar com as ações desempenhadas pelo Instituto, fazendo parte do time de sócios da instituição. É que empreendedorismo não é apenas um conceito econômico, não consiste apenas em criar empresas. Empreendedorismo é um estado de espírito e consiste em criar coisas de forma criativa e inovadora com o intuito de gerar utilidade e benefícios para o bem comum e para a coletividade. Neste caso, para se associar, basta acessar o site do Instituto, preencher o formulário, e sua iniciativa será analisada pela diretoria do Êxito. Já o segundo perfil envolve os jovens que desejam empreender ou se qualificar e pretendem se beneficiar das atividades do Instituto. Eles devem acessar o site, ver qual atividade lhes interessa, preencher o formulário e aguardar a efetivação da inscrição.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).