EUA proíbem chinesas de comprar peças no país

Restrição vale para companhias de supercomputadores.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

O anúncio é o mais recente esforço do governo Trump para restringir a capacidade das empresas chinesas de terem acesso à tecnologia dos EUA

Acessibilidade


O Departamento de Comércio dos Estados Unidos informou hoje (21) que várias empresas chinesas e um instituto do governo envolvidos em supercomputação de aplicações militares foram adicionados a uma lista de entidades proibidas de comprarem peças e componentes dos EUA sem aprovação do governo.

VEJA TAMBÉM: China e EUA têm novo atrito com comércio e segurança

O anúncio da restrição, incluindo as empresas a uma lista negra comercial, é o mais recente esforço do governo Trump para restringir a capacidade das empresas chinesas de terem acesso à tecnologia dos EUA em meio a uma guerra comercial.

O departamento disse que incluiu as empresas na lista devido a receios com as aplicações militares dos supercomputadores em desenvolvimento.

A Embaixada da China em Washington não retornou imediatamente aos pedidos de entrevista.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em 2015, o Departamento de Comércio incluiu a Universidade Nacional de Tecnologia de Defesa (NUDT) da China à lista “devido ao uso de núcleos, placas e processadores de origem norte-americana para alimentar supercomputadores que supostamente faziam atividades de simulação de explosões nuclear e militar”.

E AINDA: EUA inicia cobrança de taxas mais altas de produtos da China

O Departamento de Comércio informou nesta sexta-feira que desde 2015 o NUDT adquiriu itens sob o nome Hunan Guofang Kei University usando quatro endereços adicionais separados que ainda não constavam na lista. A entidade disse hoje que acrescentou a Hunan Guofang à lista.

As empresas “representam risco significativo de se envolverem em atividades contrárias aos interesses de segurança nacional e política externa dos Estados Unidos”, diz o comunicado.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: