Igreja britânica investe de fundo de US$ 10 bi em maconha

iStock
Movimento reflete mudança da sociedade a respeito da cannabis medicinal

Quando Shavo Odadjian, baixista da banda System of a Down, me disse que estava lançando uma variedade de cannabis chamada “Church”, não pude deixar de achar engraçado. Erva e religião não andam juntas, pensei. No entanto, um artigo de Natan Ponieman para o Leafly, o maior site dedicado à maconha, sugeriu o contrário. “A moderação parece ser a chave para o desfrute da cannabis não medicinal na tradição cristã”, escreveu ele. Ponieman defende que, quando você olha de uma perspectiva histórica, “não há nada na base do cristianismo contra medicação. O próprio Jesus foi (e ainda é para muitos, hoje) um curador. “O relacionamento padrão que normalmente se traçaria entre as grandes igrejas e a proibição tem mais a ver com seu papel histórico de agentes políticos do que com qualquer diretriz derivada de seu sistema central de valores.”

LEIA MAIS: Israel descriminaliza o uso adulto de cannabis

Alguns meses depois da minha conversa com Shavo, e do texto de Ponieman, eu conheci na Forbes Joy Smith, uma avó que passou de pregadora da palavra do Senhor a pregadora dos benefícios da pura CDB como empreendedora de cânhamo. Parecia que, passo a passo, a cannabis e o cristianismo estavam se aproximando.

 

Cannabis da Rainha

Apesar destes pequenos avanços, nada — nem mesmo uma grande nuvem de fumaça branca saindo do Vaticano — poderia ter me preparado para a surpresa que eu teria no início do mês. A Igreja da Inglaterra, mãe da Comunhão Anglicana internacional, liderada pela Rainha Elizabeth II, mudará as regras do seu fundo de investimento para permitir apostas em cannabis medicinal, que agora é legal no Reino Unido sob certas circunstâncias — embora o acesso a ela, de modo geral, ainda permaneça bastante limitado.

O fundo em questão, o Church Commissioners for England (Comissários da Igreja pela Inglaterra, em tradução livre), administra atualmente cerca de 8,3 bilhões de libras (US$ 10,5 bilhões) em ativos — valor que, segundo o “Financial Times”, seria maior: de US$ 16 bilhões, com base neste relatório. Como se trata de um fundo fechado, não são aceitas nenhumas contribuições, e o lucro é destinado a custear as despesas da Igreja. Também segundo o “Financial Times”, o chefe de investimento do fundo, Edward Mason, disse que a organização faz uma distinção clara entre cannabis medicinal e cannabis de uso adulto, e que apoia apenas o uso para “propósitos medicinais apropriados”.

Um outra porta-voz do fundo disse à ABC News que o plano é “manter a cannabis medicinal nos mesmos padrões” de outros produtos farmacêuticos tradicionais, investindo apenas em empresas “devidamente licenciadas” com produtos “regulamentados para uso medicinal”. Isto não significa que as empresas de cannabis com pequenas participações em jogos recreativos não sejam consideradas para investimento. O limite, no entanto, foi estabelecido em 10% da receita total do negócio.

 

Cannabis: investimento ético

“Trata-se de investimento em negócios éticos”, explica o Relatório Anual 2018 da Comissão da Igreja. De fato, seu “foco em ser um líder em investimento ético e responsável mostrou excelentes resultados”, diz Andrew Brown, Secretário dos Comissários da Igreja. “Nossa abordagem envolve exclusões éticas; incorporação de questões ambientais, sociais e de governança; ação sobre riscos e oportunidades de mudança climática; engajamento e votação; e impactar o monitoramento e os investimentos de impacto ”, explica o relatório.

Para Saul Kaye, fundador e CEO da iCAN e CannaTech, empresa de eventos relacionados com cannabis, ter a Igreja da Inglaterra a favor da maconha dá credibilidade a toda a indústria e ajuda a quebrar o estigma em torno da cannabis medicinal. Boris Blatnik, CEO da suíça KannaSwiss, vai pelo mesmo caminho: “O apoio da Igreja da Inglaterra à medicina derivada de plantas é um endosso adicional à crescente quantidade de evidências para a eficácia da cannabis medicinal”.

Mas Ponieman discorda. Para ele, a decisão da Igreja da Inglaterra “não tem nada a ver com a Igreja da Inglaterra se soltando, ou tornando-se amiga” da indústria da erva”. Seja como for, o que esse movimento reflete é a mudança de percepção da sociedade sobre a maconha medicinal.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).