Bill Gates retoma o posto de segunda pessoa mais rica do mundo

Reprodução Forbes
Bill Gates volta a ser a segunda pessoa mais rica do mundo após queda nas ações da LVMH e fortalecimento dos papéis da Microsoft

Resumo:

  • Fortalecimento das ações da Microsoft e queda dos papéis da LVMH levaram Gates de volta para a segunda posição;
  • Arnault retorna para o terceiro lugar após resultado semestral da LVMH abaixo da expectativa e queda de 1,7% das ações do grupo;
  • Fortuna de Bill Gates, no momento, está avaliada em US$ 104 bilhões, e a de Bernard Arnault, em US$ 100,7 bilhões.

Depois de menos de uma semana como a segunda pessoa mais rica do mundo, o titã dos itens de luxo Bernard Arnault caiu para o terceiro lugar na lista de bilionários, com um declínio no preço das ações da LVMH, segundo os cálculos da Forbes. Bill Gates, impulsionado por papéis mais fortes da Microsoft, retomou a segunda posição no ranking.

VEJA TAMBÉM: Como Bernard Arnault virou a segunda pessoa mais rica do mundo

Arnault, cujo grupo LVMH está por trás de marcas como Louis Vuitton e Moet & Chandon, viu seu patrimônio cair para US$ 100,7 bilhões na quinta-feira (25), cerca de US$ 2,5 bilhões a menos do que sete dias atrás. As ações da LVMH declinaram 1,7% na última semana. Já Gates retomou a segunda posição: seu patrimônio líquido saltou para os atuais US$ 104 bilhões, de US$ 102,9 bilhões na semana passada, em meio a um aumento no preço dos papéis da Microsoft.

A semana passada marcou a primeira vez desde 2008 que Gates não era a primeira nem a segunda pessoa mais rica do mundo. Tanto o cofundador da Microsoft quanto Arnault detêm meios para desbancar o número um, Jeff Bezos. O fundador da Amazon tem um patrimônio líquido de aproximadamente US$ 162,9 bilhões; Bezos disse que dará à sua ex-mulher, MacKenzie, um quarto de suas ações na Amazon, atualmente avaliadas em cerca de US$ 39 bilhões, o que ainda o manteria à frente de Gates em cerca de US$ 20 bilhões.

Parte do declínio nas ações da LVMH provavelmente está atrelado ao anúncio da última quarta-feira dos resultados referentes ao primeiro semestre. A empresa registrou um aumento de 15% nas receitas, para US$ 27,9 bilhões (€ 25,1 bilhões). No entanto, o lucro operacional do grupo ficou um pouco abaixo das expectativas. Foi divulgado o valor de US$ 5,9 bilhões (quase € 5,3 bilhões), em comparação aos US$ 5,98 bilhões previstos pelos analistas.

O setor de moda e artigos de couro da LVMH continua como o maior impulsionador de receita da empresa, com valor em vendas de US$ 11,6 bilhões, 21% a mais que no ano passado.

E AINDA: Por que a Microsoft é um empresa trilionária

“Esses resultados mais uma vez ilustram a eficácia de nossa estratégia e a excepcional demanda de nossas maisons, cujos produtos transcendem o tempo”, disse Arnault em um comunicado à imprensa. “A busca por qualidade e criatividade constantemente renovada é a chave para o sucesso da LVMH, sempre pautada por uma visão de longo prazo, que combinam exemplaridade e responsabilidade em todas as ações da empresa.”

Até agora tem sido um ano movimentado para Arnault. Em abril, a empresa adquiriu o grupo de hotéis e restaurantes de luxo Belmond por US$ 3,2 bilhões. E, na semana passada, a LVMH anunciou um novo empreendimento com a estilista Stella McCartney.

Desde 2001, apenas cinco pessoas no mundo ocuparam oficialmente a primeira ou segunda posição entre os mais rico em nossa classificação anual de bilionários: Bezos, Gates, Warren Buffett, Amancio Ortega, da Zara, e Carlos Slim Helu, mexicano da indústria de telecomunicações.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

LinkedIn

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).