Bitcoin: chineses estão ativos no mercado de balcão

Getty Images / Adam Gault
A baixa do bitcoin não desmotivou seus compradores no mercado de balcão

Resumo:

  • O bitcoin está em baixa ante seu pico de US$ 13.851 em junho;
  • Mesmo assim, ele segue com uma alta significativa desde o começo do ano, se destacando em meio a outras criptomoedas;
    O otimismo que cerca o cripto mercado chinês pode estar relacionado com os recentes valores da moeda.

O valor do bitcoin caiu quase 34% desde a alta de US$ 13.851 em 26 de junho, mas ainda assim a moeda subiu 158% desde o começo do ano. Da as três maiores criptomoedas — as outras duas são a ETH e a XRP –, ele segue líder, disparado. Desde o início de 2019, o ETH subiu 58,56% e o XRP da Ripple caiu 12,93%. O inverno cripto acabou. Mas há outro fator a levar em conta. O mercado está a favor do bitcoin, porque os investidores estão arriscando menos. Eles não querem ter prejuízo como no passado, quando metade do espaço estava coberto por esquemas e golpes. Até hoje, o ETH paga esse preço.

LEIA MAIS: A libra só não é mais reconhecida do que o bitcoin, diz pesquisa

A pergunta é: para onde vai o bitcoin, se seu preço já caiu mais de um terço desde a recente alta?

Nos mercados tradicionais, quando um preço cai 10%, fala-se em correção, e uma queda de 20% indica um mercado em baixa. O mesmo princípio não pode ser aplicado ao cripto mercado, onde uma alta de 158% pode ser alcançada em seis meses.

Para analisar essa situação a fundo e descobrir se o mercado em alta perdeu o controle de seu valor, há ao menos um recurso: compare o movimento de preço atual às médias de movimentação do mercado. Antes, fique atento ao OTC — sigla para “over-the-counter”, o chamado mercado de balcão, um mercado descentralizado onde as pessoas negociam entre si, fora da bolsa de valores — para entender os tipos de compra e os compradores.

No pico, quando o bitcoin bateu US$ 20.000, o máximo da criptomoeda no mercado OTC em Dubai era quase 20% maior. Na mesma medida, o máximo do bitcoin no mercado OTC hoje está entre 10% e 15%. Negociadores não-oficiais desse mercado dizem que há dois motivos para o preço tão alto. Primeiramente, há muito otimismo em torno da China e seus regulamentos para o bitcoin. Por isso, investidores chineses estão mais que contentes em pagar a alta. Além disso, as sanções dos Estados Unidos em vários países trouxeram compradores para o mercado. O “bullying” norte-americano não está funcionando. Fique atento também aos países que sofrem as sanções norte-americanas, como Rússia, Irã e Coreia do Norte. Eles podem se unir pelo bitcoin.

De volta à análise técnica: o valor do bitcoin tem batalhado com a média dos últimos 50 dias. A moeda ficou abaixo dessa média, pela primeira vez desde fevereiro, na quarta-feira, 24 de julho. Felizmente, no dia seguinte, o bitcoin fechou acima da média. Esse movimento de sobe e desce mostra que o mercado estável tenta puxar o preço do bitcoin para baixo. Acredito que o apoio imediato a esse preço virá próximo à média dos últimos 100 dias, que é de US$ 7.364. O valor deve ter variação de US$ 7.364 a US$ 14.000.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

LinkedIn

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).