Warner inaugura área temática de “The Big Bang Theory”

Divulgação
Exposição permanente na Califórnia conta com itens e cenários da série

Resumo:

  • “The Big Bang Theory” teve 279 episódios divididos em 12 temporadas pela CBS;
  • Encerrada em maio deste ano, a série foi assistida por 20 milhões de pessoas e teve um faturamento de US$ 1 bilhão;
  • O sofá de Sheldon, roupas do elenco, o elevador em manutenção e a cafeteria do Laboratório de Física da CalTech estão nos estúdios da Warner Bros.

“Não há muitas séries que são também uma marca. Há muitas comédias, mas essa atraiu os fãs como um ímã. É uma marca, com certeza. Quero dizer, é um monopólio. É enorme”, explica Wil Wheaton, membro do elenco de “The Big Bang Theory” no cenário fixo da série dentro de um lote da Warner Bros em Burbank, Califórnia.

LEIA MAIS: Warner e J.K. Rowling acertam parceria na internet

Depois de 12 temporadas e 279 episódios, “The Big Bang Theory” terminou sua trajetória na CBS em 16 de maio de 2019. Assistida por mais de 20 milhões de pessoas em seu auge, não é surpresa que a série tenha se tornado altamente lucrativa, resultando em um US$ 1 bilhão em acordo anual de distribuição e mais de US$ 3,57 bilhões em receita de publicidade na TV, isso tudo sem considerar o dinheiro investido em produtos e licenciamento.

Wheaton acrescenta: “No fundo, a série está fundamentada em uma realidade de quatro pessoas que se amam, mesmo com todas as desavenças, e as mulheres que são atraídas para seu universo e lidam com suas peculiaridades. Eu me identifico fortemente com Leonard. Desde o começo, ser o herói de uma história é algo muito atraente pra mim. Isso é comprado figurativamente e literalmente”.

Dois meses após o episódio final da série, alguns dos sets da comédia de grande sucesso encontraram um novo lar no tour “Stage 48: Script to Screen”, da Warner Bros. Studio. Os visitantes podem agora entrar no apartamento 4A e sentarem no sofá, ver o famoso elevador em manutenção e a cafeteira do Laboratório de Física da CalTech.

“The Big Bang Theory” é a série de câmeras múltiplas mais longa na história da televisão, e nem mesmo o co-criador, roteirista e produtor executivo do show, Chuck Lorre, esperava isso. “A primeira vez que fomos à San Diego Comic-Con, eu pensei que haveria 11 pessoas lá. Achei que era uma ideia terrível”, explicou ele. “Nós estávamos no ar havia pouco tempo. Tivemos apenas 17 episódios naquele ano por causa da greve dos roteiristas, e dissemos ao elenco que não se sentissem mal se não houvesse ninguém lá. Mas estava lotado, e eles foram recebidos como se fossem os Beatles. Ficou claro que algo extraordinário estava acontecendo.”

Wheaton acrescenta: “Um cara passou correndo por nós na rua um dia, parou, correu de volta e disse: ‘Você trabalha na “Big Bang”!’ E eu disse ‘sim!’. Então ele disse: ‘Isto é embaraçoso, porque sei que o nome do seu personagem é Wil Wheaton, mas não sei qual é o seu nome”. Ele continua dizendo “foi aí que eu soube, embora tenha trabalhado como ator desde 1977, que era parte de algo muito maior e que as pessoas não precisavam saber quem eram os atores por trás dos personagens, eles simplesmente amavam os personagens”.

VEJA TAMBÉM: Os 10 atores de TV mais bem pagos no mundo em 2018

Além dos cenários no “Stage 48: Script to Screen”, há também vários figurinos de elenco em exibição e muitas fotos também.

“A série, por muitas razões, se conectou com as pessoas em um nível emocional profundo”, o produtor executivo Steve Holland disse, quando nos sentamos no sofá do Sheldon: “O fato de estar fora do ar é difícil para nós. Me sinto emocionado por estar sentado aqui agora, depois de ter me despedido na última noite de gravações”.

“Acho que é inesperado, emotivo e especial que eu toque este sofá mais uma vez”, acrescentou Steve Molaro, outro produtor executivo da série. “Sean Astin esteve em ‘The Big Bang Theory’ algumas vezes. Ele queria ter uma foto no assento do Sheldon, mas estava com medo, queria honrar a santidade do lugar. Então, eu tenho uma foto dele sentado onde estou sentado agora, apenas apontando para ele.”

É muito raro que os sets das séries sejam guardados quando o programa acaba. Muitos acabam destruídos em lixeiras logo depois de as câmeras serem desligadas. A preservação e a exibição ainda destacam a importância e popularidade da série, que continua a ser exibido em todo o mundo, do Nepal a Nicarágua, de Israel à Índia.

Com um show tão popular e lucrativo, onde o elenco principal estava levando para casa US$ 1 milhão por episódio, pode ser tentador considerar uma reunião de “Big Bang” em algum momento. “Estou tão orgulhoso de como terminamos o show. Pessoalmente, eu não posso imaginar um final mais satisfatório para o programa. Eu amo esses personagens e adoraria estar perto deles novamente”, refletiu Holland quando nos sentamos e conversamos no apartamento 4A. “Acho que também há algo a ser dito sobre fechar esse capítulo do livro, sentir-se bem sobre onde o deixamos e não correr o risco de abrir o back-up e o destino tentador. É melhor deixar as pessoas querendo mais.”

Qual é a chave para criar uma série que, não só se tornará o programa de TV mais assistido nos Estados Unidos, mas também uma franquia multimilionária? “Gostaria de saber a grande resposta para isso”, Holland deu ombros. “Acho que há uma química estranha quando o elenco de personagens e a escrita se unem de uma forma não necessariamente planejada. Se você muda um pedaço disso, toda o castelo de cartas cai”, finaliza.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).