Atenções voltadas para chairman do Fed reforçam alta do dólar

Jerome Powell deve falar sobre o futuro da taxa de juros dos EUA hoje (23).

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

Na véspera, o dólar fechou em alta de 1,15%, a R$ 4,07 na venda

Acessibilidade


O dólar valorizava-se contra o real hoje (23), após encerrar em seu maior patamar em três meses no dia anterior, com agentes do mercado à espera do discurso do chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, em simpósio anual de Jackson Hole, para mais sinais sobre o futuro da taxa de juros dos Estados Unidos.

VEJA TAMBÉM: Dólar tem alta de 1,15% e testa R$ 4,08
Às 9:53, o dólar avançava 0,32%, a R$ 4,09 na venda.

Na véspera, o dólar fechou em alta de 1,15%, a R$ 4,07 na venda, maior patamar desde 20 de maio.

A sessão era marcada por cautela antes do discurso de Powell, dada a incerteza em torno das declarações mistas dos membros do Conselho do Fed sobre a necessidade de mais cortes de juros.

Segundo analistas da Correparti Corretora de Câmbio, a expectativa “é que Powell mantenha a mensagem mais conservadora para os juros, principalmente após ter sido alvo de críticas feitas pelo presidente americano Donald Trump, e de ser até chamado de ‘sem noção’ pelo chefe da Casa Branca.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nesta sexta-feira, os juros futuros dos EUA indicavam que operadores veem quase 100% de chance de o Fed cortar juros em 0,25 ponto percentual em setembro, de 90% de chance na última quinta-feira (22), segundo a ferramenta Fedwatch do CME Group.

E AINDA: China reforma juros para baixar custo de financiamento

Também corroborava para o sentimento de incerteza o anúncio da China nesta sexta-feira de que planeja aumentar as tarifas de importação sobre alguns produtos norte-americanos, além de retomar as tarifas adicionais sobre importações de automóveis e peças dos EUA.

Na cena doméstica, o BC vendeu todos os 550 milhões de dólares em moeda física nesta sexta-feira e negociou ainda todos os 11 mil contratos de swap cambial reverso ofertados — nos quais assume posição comprada em dólar.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: