Conheça a startup que quer competir com a Uber remunerando completamente os motoristas

Getty Images
Parceiros que se inscrevem na norte-americana Nomad Rides pagam uma taxa fixa de assinatura

Resumo:

  • Nos Estados Unidos, a Uber e a Lyft (que não opera no Brasil) dominam o mercado de aplicativos de transporte pessoal;
  • Diferentemente das concorrentes, na Nomad, os motoristas recebem todo o dinheiro das corridas, mas devem arcar com o seguro e pagar uma assinatura mensal de US$ 25;
  • A empresa fez um teste neste ano em que registrou 5.700 corridas em 61 dias do serviço em uma cidade universitária.

A Uber e a norte-americana Lyft (que não opera no Brasil) não enfrentam muita competição nos dias de hoje. Juntas, as duas gigantes de transporte têm mais de 98% do mercado dos EUA, segundo a empresa de análises Second Measure.

LEIA MAIS: Uber se alia a BBVA e Mastercard em cartões no México

As comissões de cada viagem compreendem um fluxo de receita significativo para ambas as empresas, mas angustiam alguns motoristas. A Uber diz que leva 25% de cada viagem, e enquanto Lyft não revelou. No entanto, fatores como a distância percorrida podem fazer com que a comissão suba acima de 40%, uma das principais razões pelas quais os motoristas de ambas as empresas organizaram uma greve em maio. Quando perguntado em 2015 por que a Uber estava elevando suas taxas de comissão, um executivo então teria dito: “Porque nós podemos.”

Uma startup, com apoio da aceleradora Y Combinator, do Vale do Silício, quer desafiar o duopólio norte-americano, eliminando a comissão. A Nomad Rides diz que sua plataforma cobra aos passageiros 20% menos, enquanto os motoristas ganham 20% a mais, pagando à empresa uma assinatura mensal fixa. A taxa, atualmente, é de US$ 25 por mês. A startup lançou seu aplicativo na Universidade de Indiana, em Bloomington, em fevereiro.

“Os resultados foram absolutamente loucos”, disse o cofundador e CEO, Daniel Jones, aos investidores durante um discurso de dois minutos no Y Combinator Demo Day. “Em apenas 61 dias, completamos mais de 5.700 viagens. Nós tínhamos muita demanda, tivemos mais de 9.400 pedidos.”

Jones e o cofundador Michael McHugh, diretor financeiro da empresa, têm grandes ambições. Usando camisas polo cor de menta, eles concluíram o discurso perguntando se o público estava “interessado em nos ajudar a matar Uber e Lyft”, e todos riram.

Nomad Ride
Os fundadores Michael McHugh (esq.) and Daniel Jones (dir.)

McHugh disse à Forbes que ele e Jones veem a Nomad Rides como uma empresa de software, em vez de um aplicativo de transporte. O objetivo imediato da startup, segundo ele, é provar, por meio de seus mercados-piloto, que ela pode ser “uma empresa de software que lucra com as assinaturas”.

“Nosso maior problema agora é que temos demanda demais”, disse McHugh. Durante o teste no início deste ano, alguns motoristas não se sentiam confortáveis ​​usando o aplicativo porque ele não oferecia seguro ou possuía uma licença de empresa de rede de transporte, acrescentou. De fato, a startup parou seu serviço depois de dois meses porque estava operando ilegalmente na época. Desde então, a Nomad obteve uma licença.

Ao contrário de Uber e Lyft, que fornecem seguro de carro suplementar quando os motoristas estão nos aplicativos, o Nomad exige que os motoristas paguem pelo próprio seguro. Os condutores podem adquirir uma apólice comercial pela empresapor um preço mais barato. “Basicamente, estamos aproveitando a quantidade de motoristas que temos para conseguir que elestenham preços realmente acessíveis”, disse McHugh. “Agora, podemos abrir a [Nomad] para novos colaboradores.”

Para os motoristas, o apelo da Nomad é como o de uma academia, disse Mike Ramsey, diretor sênior da Gartner, que analisa a indústria automotiva. Um motorista pouco frequente, como alguém que vai pouco à academia, tem menos incentivo para se inscrever. Isso representa um desafio para uma empresa como a Nomad, que depende de uma economia que por natureza atrai pessoas que querem flexibilidade. A Nomad quer construir “comunidades unidas para os trabalhadores que realmente gostem de seus empregos”, disse McHugh. Durante a avaliação do aplicativo, o app colocou os motoristas em um bate-papo em grupo e ofereceu eventos mensais para fomentar a comunidade. A startup foca em segurança e liberdade para os motoristas, permitindo que eles escolham os passageiros e até mesmo construam uma lista de clientes.

VEJA TAMBÉM: Como uma ideia antiga virou uma startup de US$ 280 mi

Ride Austin -serviço sem fins lucrativos que surgiu em meio a uma disputa em 2016 que derrubou temporariamente Uber e Lyft em Austin, no Texas- cobra uma taxa fixa de 99 centavos por viagem para o motorista. O CEO e cofundador, Andy Tryba, disse à Forbes que aprendeu que conseguir passageiros é um desafio muito maior do motoristas. A Nomad tem pela frente uma longa e cara saída do anonimato, concordou Ramsey.

“Uber e Lyft têm um orçamento ilimitado para ganhar qualquer batalha de preços, exceto um contra o outro”, disse Tryba. “Qualquer um que esteja tentando competir precisa criar planos diferente e atraentes para motoristas.” A Nomad prioriza as medidas de segurança e espera crescer como uma rede social, disse McHugh. Começar nas cidades universitárias é fundamental, ele acrescentou, porque os passageiros e motoristas veem a plataforma como uma espécie de “movimento político” que fortalece os usuários.

McHugh disse que voltará para Indiana antes do relançamento da Nomad. A startup retomou as operações na Universidade de Indiana na segunda-feira (26) e será lançada em breve em outras faculdades da Big Ten Conference, como a Purdue University e a University of Illinois Urbana-Champaign.

“As coisas vão explodir quando retornarmos a uma base de usuários que nos imploraram para voltar”, disse Jones.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).