Pornô em áudio? Mulheres estão na liderança do negócio

Autorreprodução
O mercado de áudio erótico está ficando quente; tudo feito pelo público feminino com o prazer da mulher como meta

Resumo:

  • Conteúdos pornográficos e eróticos já são comuns na internet, mas o crescimento de startups de áudio pornô está cada vez mais acelerado; 
  • E as protagonistas desse mercado multimilionário são as mulheres, com o objetivo de aumentar o autoconhecimento e a comunicação sexual; 
  • Veja exemplos de startups que bombam nesse mercado e seus objetivos principais.

LEIA TAMBÉM: Plataforma oferece US$ 69 mil por ano para assistir a vídeos eróticos

Áudios eróticos e pornografia em geral têm crescido constantemente na internet há anos. Basta pesquisar as palavras-chave no Google e você encontrará podcasts, canais do YouTube e até segmentos do Reddit que oferecem sons sensuais, às vezes com colaborações da comunidade.

No entanto, os podcasts Aural Honeys e Sounds of Pleasures of the Internet podem ser insuficientes para os gostos refinados, de consciência igualitária e engajamento político das mulheres dessa geração. Elas procuram experiências que criam uma sensação de bem-estar e uma oportunidade para a exploração sexual enquanto se sentem seguras e empoderadas. E eles querem que seus desejos e necessidades estejam no centro de tudo.

De extensas descrições do Airbnb sobre locais como Tulum até áudios pornográficos de namorados que querem agradar, a nova onda de startups de áudio erótico encontrou seu ponto G. Em 2019, eles arrecadaram coletivamente mais de US$ 8 milhões para construir produtos que são agradáveis para todos os públicos.

Estas são as startups fundadas por mulheres que revolucionam a categoria de áudio erótico e sexual:

Dipsea: histórias eróticas imersivas para millennials

A maior parte da produção pornográfica é feita para agradar homens heterossexuais e apresenta uma visão limitada da sexualidade humana. As mulheres muitas vezes sentem distanciamento ou são menos atraídas pelo pornô, que deixa pouco espaço à imaginação e tem zero empatia — importante para a excitação feminina. De fato, pesquisas mostram que 90% das mulheres usam o “enquadramento mental” (ou criação de cenários) para serem atingidas. No entanto, a maior parte da inovação e do investimento no prazer feminino até agora foi focada no corpo, não no cérebro.

A Dipsea foi fundada em 2018 por Gina Gutierrez e Faye Keegan. Neste ano, levantou US$ 5 milhões, uma ação co-liderada por Bedrock e Thrive Capital, que foram acompanhados por nomes proeminentes como o do CEO do queridinho sutiã Third Love, Heidi Zak.

Com as categorias hétero, queer e de grupo, bem como diferentes níveis de “aquecimento”, a Dipsea estará disponível para Android a partir de 15 de agosto. A equipe fundadora busca oferecer opções personalizadas para todos os gostos e construiu sua biblioteca com segurança psicológica.

“Não se trata apenas de ficar excitado, mas também de permitir que as pessoas explorem o que gostam, a comunicação que desejam, se gostam de BDSM (bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo e masoquismo)… Trata-se de explorar seus limites em um espaço seguro”, diz Gina Gutierrez, co-fundadora e CEO da Dipsea. “Além disso, as preferências mudam com o tempo. Queremos conhecer pessoas em todos os estágios da vida: solteiras, casadas, divorciadas e redescobrindo a sexualidade.”

LEIA MAIS: Google e Facebook monitoram a atividade de usuários em sites pornográficos

No aplicativo, destaque para os detalhes: as histórias da Dipsea são atormentadas por referências culturais milenares, como aulas de yoga que se tornam picantes, viagens a Tulum e passeios de uber que despertam um cenário erótico. “O erótico existe há tempos imemoriais, mas não foi aprimorado em inovação e pesquisa. Somos um estúdio de startups que cria conteúdo original, não apenas baseado em nossa intuição como mulheres, mas sobretudo em dados de usuários”, diz Gutierrez.

Ferly: bem-estar sexual emocional em seu telefone

Billie Quinlan e Anna Hushlak lançaram Ferly em 2019, depois de falar com cerca de 400 mulheres sobre suas preferências, medos e preocupações em torno do bem-estar sexual. A maioria das mulheres afirmou que faltava a elas a linguagem para afirmar o que queriam ou o que ainda não haviam explorado por conta própria, devido à vergonha. Além de terem muitas dúvidas em torno de seus desejos e sobre a normalidade deles.

“Começamos a trabalhar juntos em 2017 com a ideia de melhorar a saúde mental e emocional de mulheres e meninas no mundo desenvolvido”, diz o Dr. Hushlak, CSO da Ferly. “Percebemos que ainda havia muita vergonha relacionada ao sexo e à sexualidade, apesar de serem parte do bem-estar. Começamos a explorar áreas como objetificação, auto-imagem, saúde sexual e prazer.”

Juntos, eles criaram um aplicativo que oferece às mulheres práticas guiadas que combinam corpo e mente, exercícios de diário e reflexão, conteúdos e práticas de afirmação. Ferly aborda o bem-estar sexual como um sistema, em vez de isolar as diferentes partes. “Precisamos entender três elementos interconectados: biologia e corpos, emoções e psicologia e, não menos importante, o ambiente cultural e o mundo social, incluindo mídia, pornografia e mensagens sociais em torno do sexo”, acrescenta Quinlan.

O conteúdo do Ferly passa por uma curadoria que segue o modelo biopsicossocial aplicado em prol de mudança comportamental. Seus conteúdos defendem o bom comportamento, religam crenças negativas etc. Eles usam uma abordagem interdisciplinar e trabalham com especialistas em tantra, terapeutas, sexólogos e educadores, entre outros, para criar a melhor experiência.

“O resultado que queremos é o autodesenvolvimento, e o sexo é a ferramenta para isso. Encorajamos as pessoas a desenvolver hábitos saudáveis ​​por meio da prática de autocuidado sexual”, afirma. Hushlak, para quem sua missão é criar um robusto estúdio de bem-estar sexual.

A startup com sede em Londres tem usuários em 53 países e acabou de fechar um investimento de US$ 1,5 milhão.

Quinn: audio-porn com colaboração coletiva

Caroline Spiegel fundou a Quinn depois de lutar contra uma disfunção sexual causada por um distúrbio alimentar. Ela viveu momentos frustrantes ao tentar encontrar recursos além da pornografia convencional ou dos vibradores. Spiegel lançou a Quinn no início do ano com a co-fundadora Jaclyn Hanley e diz que está usando o feedback dos usuários para aprimorar a plataforma.

“É uma mistura entre conteúdo profissional e amador. Algumas mulheres gostam de gemidos gravados em iPhone, e outras, de vozes de atores gemendo com sons do oceano ao fundo”, diz. “Criar audio-porn é muito legal, porque você pode ficar anônimo enquanto faz dinheiro e ajuda uma tonelada de pessoas a se sentir bem.”

Spiegel estabeleceu algumas regras contra incesto, menores de idade, estupro e bestiologia. Para a CEO, que sente grande responsabilidade, é sua missão de combater o estigma em torno da expressão e da exploração sexual feminina.

VEJA MAIS: Como fazer amigos e influenciar pessoas com podcasts

Emjoy: criando hábitos sexuais saudáveis

Andrea Oliver García, fundadora e CEO da Emjoy, iniciou carreira no mundo do capital de risco, tanto em Londres quanto em Barcelona, ​​onde a empresa está sediada. Apesar de sua extensa experiência em rede e o crescente interesse em femtech(aplicativos e produtos voltados ao público feminino) e sextech (tecnologia do sexo), ela ficou surpresa ao saber que criar seu negócio não seria fácil: preconceito e estigma barram recursos financeiros.

“Eu sempre me considerei uma feminista e, quando cresci, percebi que muitas de minhas namoradas viviam sua sexualidade com vergonha e sabiam muito pouco sobre si mesmas — algumas, até duvidando que tivessem ou não experimentado um orgasmo”, diz García, CEO da Emjoy. “Então, me deparei com vários estudos, como o “Pleasure Gap” (A Falta do Prazer). Surpreendentemente, os dados mostram que mais de 40% das mulheres lutam para atingir um orgasmo e que 30% têm problemas de libido.”

O conteúdo é quase todo em forma de áudio, mas há também vídeos animados para fins educacionais, como a anatomia genital. O aplicativo oferece práticas guiadas por especialistas em psicologia, terapia sexual, educação e mindfulness e aborda tópicos sobre como aumentar a libido, conhecer o corpo, aumentar o prazer e melhorar a comunicação sexual.

O Emjoy está agora disponível para Android e iOS e acaba de anunciar uma rodada de investimentos de US$ 1 milhão liderada pela empresa de capital de risco Nauta Capital para dobrar a equipe e crescer nos mercados dos EUA e do Reino Unido.

O mercado de áudio erótico está ficando quente, e é tudo feito pelo público feminino com o prazer e a segurança das mulheres como meta.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).