Conheça a Samsara, startup inovadora de internet das coisas, que criou dois bilionários

Gettyimages/jamesteohart
A Samsara foi lançada em 2015 pelo CEO, Biswas, 37 anos, e o CTO, Bicket, 39 anos

Resumo: 

  • A Samsara foi lançada em 2015; 
  • A empresa teve faturamento de US$ 100 milhões no ano passado, com vendas de hardware e assinaturas de software; 
  • Um dos objetivos é levar a tecnologia da informação para perto do mundo industrial.

Sanjit Biswas e John Bicket, cofundadores da Samsara, foram promovidos a bilionários após a rodada de financiamento da Série F de US$ 300 milhões da empresa, que valorizou a startup de internet das coisas (IoT) em US$ 6,3 bilhões.

Os novos investidores, Tiger Global e Dragoneer, juntaram-se a Andreessen Horowitz e General Catalyst na rodada final, elevando o aporte total da empresa com sede em São Francisco para US$ 530 milhões. A participação de 25% dos fundadores vale mais de US$ 1,4 bilhão cada, estima a Forbes.

A empresa ganhou US$ 100 milhões no ano passado, triplicando o faturamento de 2018. Esse número foi alcançado com as vendas de hardware e uma assinatura mensal de software baseada em nuvem que ajuda as empresas a coletar e analisar dados.

A Cowgirl Creamery, por exemplo, usa para rastrear queijos, acompanhando o armazenamento e a distribuição de seus produtos artesanais com o monitoramento sem fio e a plataforma de rastreamento de frota da Samsara. Isso os ajuda a saber onde seus caminhões estão em tempo real e se estão sendo mantidos na temperatura ideal. O custo médio da Samsara é de US$ 130 por unidade para seu hardware e uma taxa de assinatura mensal de US$ 30 para o software.

VEJA TAMBÉM: Startups surfam na onda do microaprendizado

A Samsara foi lançada em 2015 pelo CEO, Biswas, 37 anos, e o CTO, Bicket, 39 anos. Os dois se conheceram como estudantes PhD no Instituto de Tecnologia de Massachussetts (MIT), onde cursavam ciência da computação. Juntos, assumiram um projeto de pesquisa que envolvia trazer acesso Wi-Fi gratuito à cidade de Cambridge, Massachusetts.

O projeto “ganhou vida própria”, diz Biswas, e levou à criação da primeira companhia deles, a Meraki, uma empresa de dispositivos de rede em nuvem que foi comprada pela Cisco em 2012 por US$ 1,2 bilhão.

Ao criar a Meraki, Biswas diz que foi capaz de enxergar como a combinação de hardware, software e computação em nuvem em um sistema simples e integrado poderia transformar o setor de TI, mas também percebeu que ideias do tipo não estavam sendo implementadas para o mundo industrial.

“Percebi que indústrias como transporte, construção e manufatura não estavam se beneficiando da inovação de TI”, diz Biswas. “Agora estamos servindo o mundo nos bastidores e modernizando uma área que foi negligenciada”.

A última rodada de financiamento vai expandir o portfólio de produtos da empresa, incluindo novas câmeras e sensores. Além disso, será usada para acelerar sua expansão na Europa, Canadá e México (atualmente, a companhia está em dez países). A Samsara usará adicionalmente o financiamento para investir em vendas e marketing, pois a empresa procura obter mais clientes empresariais.

“É incrível ver o quão rápido a Samsara está crescendo”, diz Hemant Taneja, diretor administrativo da General Catalyst e membro do conselho da Samsara. “São especialistas na construção de soluções sofisticadas e fundadores que se preocupam profundamente com o pessoal e a cultura da empresa. Nosso fundo está realmente apostando em Sanjit e John.”

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).