Forever 21 abre pedido de falência e vai fechar mais de 100 lojas

Getty Images
Além dos EUA, estabelecimentos na Ásia e Europa também são afetados

Resumo:

  • Os fundadores sul coreanos da rede fast-fashion Forever 21, faturaram US$ 5,9 bilhões em seu auge, em 2015;
  • Eles saíram da lista de bilionários da Forbes neste ano;
  • Com o pedido de falência, ao todo, serão fechadas 178 lojas nos Estados Unidos.

A Forever 21, varejista de roupas para adolescentes que se expandiu agressivamente em shoppings nos Estados Unidos, enquanto outras recuavam, entrou com pedido de falência na noite de ontem (29).

LEIA MAIS: Fundadores da Forever 21 são os imigrantes mais ricos dos EUA

A empresa encerrou meses de especulação sobre o estado de seus negócios anunciando que está buscando proteção contra falência. A Forever 21 irá fechar até 178 lojas nos EUA como parte da reestruturação, de acordo com um comunicado da empresa. Lojas na Ásia e na Europa também serão impactadas.

“Este foi um passo importante e necessário para garantir o futuro de nossa empresa, o que nos permitirá reorganizar nossos negócios e reposicionar a Forever 21”, disse Linda Chang, vice-presidente executiva e uma das filhas dos fundadores, em um comunicado.

Para continuar financiando as operações durante a reestruturação, a Forever 21 garantiu US$ 350 milhões em financiamento, o que inclui US$ 275 milhões do seu credor JPMorgan Chase. Também obteve US$ 75 milhões da empresa de finanças TPG Sixth Street Partners e de suas afiliadas.

O pedido de falência marca uma forte reviravolta na fortuna da gigante da moda. Iniciada em 1984 por um casal imigrante da Coreia do Sul, a loja se tornou um local de mercadorias com preços baixos. No entanto, nos últimos anos, as vendas caíram com o declínio das idas aos shoppings e os jovens comprando online. A empresa também está sobrecarregada depois de anos expandindo o número e o tamanho das suas lojas.

Com os negócios em situação difícil, os fundadores, Do Won e Jin Sook Chang, saíram da lista de bilionários da Forbes no início deste ano. No auge de 2015, eles acumulavam US$ 5,9 bilhões, uma personificação do sonho americano.

Com pouco mais do que um diploma do ensino médio, o casal Chang fundou a empresa três anos depois de chegar a Los Angeles. Do Won começou como lavador de pratos em uma cafeteria local, depois, complementou sua renda de salário mínimo trabalhando de um posto de gasolina e iniciando um negócio de limpeza de escritórios. Jin Sook trabalhou como cabeleireira. Depois de gastar US$ 11 mil em três anos, eles abriram uma loja de roupas de aproximadamente 83 metros quadrados chamada Fashion 21. No primeiro ano, as vendas chegaram a US$ 700 mil. Eles começaram a abrir uma loja a cada seis meses e, eventualmente, mudaram o nome para Forever 21.

VEJA TAMBÉM: Por que a gigante do setor de viagens Thomas Cook foi à falência

“Eu vim aqui com quase nada”, disse Chang à Forbes em uma matéria de capa em 2016. “Eu sempre terei um coração agradecido aos EUA pelas oportunidades que me proporcionou.”

Na busca do crescimento, a Forever 21 expandiu agressivamente seu número de lojas na última década, uma época em que muitos varejistas tentavam diminuir sua presença em shoppings. A empresa tinha ambições de se tornar um novo tipo de loja de departamentos, onde toda a família pudesse comprar, e procurou espaços gigantes com vários andares.As unidades aumentaram de 480 para 600, entre 2010 e 2014, e para 800 em 2018. Em um sinal de confiança, a empresa normalmente assinava contratos de aluguel de dez anos, de acordo com uma fonte próxima.

Recentemente, porém, passou a sair dos shoppings norte-americanas. Por exemplo, reduziu discretamente muitas de suas maiores lojas em várias cidades. O tamanho médio de suas lojas agora é de 6.000 metros quadrados, de acordo com um porta-voz da empresa. Isso é quase metade da média anterior de 11.000 pés quadrados, tamanho que ainda está no site da empresa.

A Forever 21 se junta a outras marcas de shopping focadas em adolescente, como Charlotte Russe, Aeropostale e Wet Seal, que declararam falência nos últimos anos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).