Huawei está perto de produzir equipamentos de rede 5G sem peças dos EUA

CEO acrescentou que planeja mais que multiplicar a produção no próximo ano.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

Ren disse que a Huawei está disposta a licenciar sua tecnologia 5G para uma empresa norte-americana

Acessibilidade


O fundador e presidente-executivo da Huawei, Ren Zhengfei, disse nesta quinta-feira que a empresa já está produzindo estações base da rede 5G sem componentes dos Estados Unidos e planeja mais que multiplicar a produção no próximo ano.

LEIA MAIS: Huawei lança smartphone 5G na China

A partir de outubro, a empresa começará a produzir estações base de rede 5G. No próximo ano planeja fabricar cerca de 1,5 milhão de estações, disse Ren.

A Huawei, maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações, está na lista negra do comércio norte-americano desde maio, devido a receios de que seus equipamentos sejam usados por Pequim para espionar. A Huawei tem negado tais alegações, mas tomou medidas para minimizar o impacto.

As sanções dos EUA cortam o acesso da Huawei a tecnologias essenciais dos EUA. A versão mais recente de seu principal smartphone, o Mate 30, lançado na semana passada na Europa, não virá com o Google Mobile Services.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ren disse que a Huawei ainda gostaria de usar componentes dos EUA, se possível, porque tem “laços emocionais” com fornecedores norte-americanos de longa data.

Neste mês, Ren disse que está aberto a vender a tecnologia 5G da empresa – incluindo patentes, código, projetos e know-how em produção – para empresas ocidentais por uma taxa única.

Nesta quinta-feira, ele foi mais longe, dizendo que a Huawei está disposta a licenciar sua tecnologia 5G para uma empresa norte-americana e que não tem medo de criar um rival ao disponibilizar sua tecnologia aos concorrentes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: