Startup que checa antecedentes de motoristas de aplicativo vale US$ 2,2 bi

Associated Press/Reprodução
Checkr analisa o histórico de contas de usuários da Uber e do Lyft

Resumo:

  • O serviço de checagem de antecedentes ganhou força com a popularização dos aplicativos de transporte e de entregas;
  • A Checkr captou US$ 160 milhões de empresas e investidores americanos;
  • Após uma polêmica com um entregador em Las Vegas, o aplicativo lançou um serviço que verifica constantemente os históricos dos usuários.

À medida que a Uber e a Lyft (que não opera no Brasil) cresceram, outro negócio pegou carona no sucesso: a Checkr, uma startup que verifica antecedentes criminais. Os apps de transporte ajudaram os negócios a decolar. Agora, a empresa está trabalhando com varejistas como a Hot Topic e a Adecoo, de gerenciamento de recursos humanos; atingindo a marca de 42 milhões de análises.

LEIA MAIS: Startups surfam na onda do microaprendizado

“Foi impulsionado pela mudança da força de trabalho, que tem grande parte em pessoas que mudam de emprego ou têm mais de um trabalho”, diz o CEO Daniel Yanisse. “Esse é realmente o motor do nosso negócio”.

Na quinta-feira (19), a Checkr anunciou a arrecadação de um financiamento de grandes empresas americanas (como a T. Rowe Price e outros investidores como Bond Capital e Coatue Management, de Mary Meeker). A nova rodada dobra a última avaliação da startup pela Forbes Next Billion-Dollar para US$ 2,2 bilhões e aumenta o financiamento total para US$ 310 milhões.

O aporte ajudará a Checkr a crescer internacionalmente, além de EUA e Canadá, onde começou em 2014. Yanisse e seu cofundador Jonathon Perichon, dois ex-participantes da lista Forbes Under 30, lançaram a empresa há cinco anos, depois de ver falhas em verificação de antecedentes. Começaram a apostar na tecnologia enquanto trabalhavam em uma startup de entrega. A dupla desenvolveu uma maneira fácil de agilizar o processo de análise, que posteriormente foi adotado por Uber, DoorDash e Instacart.

Eles trouxeram negócios, mas também polêmica: motoristas costumam estar nas manchetes por sequestrar, estuprar ou agredir passageiros. Mais recentemente, o dono de um restaurante em Las Vegas processou o serviço de entrega de comida DoorDash depois que um entregador com possível antecedente criminal o atacou. As notícias locais diziam que o funcionário só foi aprovado no teste da empresa porque ela analisa os últimos sete anos -período em que o entregador estava na prisão, segundo relatos. A Checkr se recusou a comentar casos específicos.

“Acho que nosso produto é o melhor disponível no país para segurança e verificação de antecedentes criminais, mas o serviço não é um método mágico”, diz Yanisse. “Não pode prever o futuro.”

A empresa respondeu às críticas lançando o “Continuous Check”, algo como “Verificação Contínua”, em 2018, que analisa constantemente os indivíduos, não só quando eles vão começar a trabalhar. (Tanto a Lyft quanto a Uber agora estão usando o sistema). A Checkr, na 56º posição na Forbes Cloud 100 -que elenca as melhores companhias de serviços em nuvem no mundo-, também possui um sistema de verificação de identidade para ajudar a combater as pessoas que fraudam dados para mostrar antecedentes limpos.

VEJA TAMBÉM: Conheça a startup que quer competir com a Uber remunerando completamente os motoristas

“É um problema muito difícil. Fraudadores e criminosos sempre encontrarão novas maneiras de burlar os sistemas e, como uma empresa de segurança, sempre precisamos adicionar tecnologias e soluções diferentes para continuar melhorando”, diz Yanisse.

Embora muitas empresas ainda paguem por cada verificação de antecedentes, os novos produtos da Checkr também ajudaram a empresa a desenvolver uma receita mensal de assinaturas -algo que os investidores públicos e privados gostam. Yanisse se recusou a comentar sobre as finanças da empresa, mas disse que estava próximo do lucro, enquanto a abertura de capital está a alguns anos de acontecer. Em vez disso, ele se concentrou na expansão mundial da Checkr, em 2020, investindo mais US$ 160 milhões.

“Não é uma conquista por si só”, afirma ele sobre dobrar a avaliação da empresa. “É uma validação da força de nossa posição, tendo sido capaz de crescer além das empresas de tecnologia”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).