WeWork joga a tolha e cancela IPO

Decisão pressiona empresa a buscar financiamentos alternativos

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Divulgação

Empresa de compartilhamento de escritórios terá de buscar novas formas de financiamento

Acessibilidade


A We Company, controladora do WeWork, disse hoje (30) que entrará com um pedido para retirar sua oferta pública inicial, uma semana após a startup de compartilhamento de escritórios apoiada pelo SoftBank demitir o fundador Adam Neumann do cargo de presidente-executivo.

LEIA MAIS: Após desastre do WeWork, mercado trava IPOs de empresas que não dão lucro

A retirada do IPO formaliza o fim da busca de uma listagem no curto prazo e permite que os sucessores de Neumann sigam com a retomada da empresa divulgando menos dados que atualmente.

Isso também pressionará a WeWork a garantir financiamento alternativo, já que um contrato de empréstimo de US$ 6 bilhões com bancos acordado no mês passado dependia de uma venda bem-sucedida de ações de pelo menos US$ 3 bilhões.

Segundo duas fontes familiarizadas com o assunto, a empresa está buscando reduzir sua força de trabalho e desacelerar sua expansão, para economizar e depender menos de novos recursos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

VEJA TAMBÉM: Neuman deixa presidência-executiva da WeWork

A empresa negocia para obter novos aportes de investidores, incluindo o SoftBank, acrescentaram as fontes.

A decisão de cancelar o IPO era amplamente esperada após a empresa adiar a oferta no início de setembro, com a piora da perspectiva dos investidores por causa de suas crescentes perdas e pelos poderes de Neumann na governança da empresa.

“Decidimos adiar nosso IPO para focar em nossos negócios principais, cujos fundamentos permanecem fortes”, disseram nesta segunda-feira os copresidentes-executivos da WeWork, Artie Minson e Sebastian Gunningham. “Temos toda a intenção de operar a WeWork como uma empresa listada e esperamos revisitar os mercados de ações no futuro”, acrescentaram.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: