Makoto Uchida assume como CEO da Nissan

ReproduçãoForbes
(da esquerda para direita) Kimura, presidente da Nissan e Masakazu Toyoda, presidente do comitê de nomeação da companhia

Resumo: 

  • A Nissan é a segunda maior montadora japonesa; 
  • Depois de crise com o ex-presidente Carlos Ghosn, que foi preso em novembro do ano passado, a empresa realiza mudanças nos cargos de liderança; 
  • Ghosn foi preso por má conduta financeira.

A montadora japonesa Nissan nomeou Makoto Uchida como seu novo CEO, uma escolha de certa forma surpreendente. Ele começou na empresa no meio da carreira, mas é visto como um defensor da aliança da Nissan com a Renault.

Mais recentemente, ele liderou a joint venture da Nissan na China.

O conselho de administração da montadora também promoveu Ashwani Gupta como diretor de operações. Anteriormente, ele ocupava o mesmo título na Mitsubishi Motors Corp. Jun Seki, que foi considerado candidato ao cargo de CEO, se tornará vice-diretor de operações.

A segunda maior montadora japonesa está em meio a uma reviravolta financeira e cultural após a prisão do ex-presidente Carlos Ghosn em novembro passado por acusações de má conduta financeira, que ele nega.

Ghosn foi acusado de enriquecer ilegalmente em cerca de US$ 5 milhões. A Nissan também enfrenta acusações de subnotificar a compensação de Ghosn em 9,1 bilhões de ienes, ou cerca de US$ 85 milhões, em dez anos.

No mês passado, Hiroto Saikawa, que sucedeu Ghosn, deixou o cargo depois de uma auditoria que foi lançada após a demissão do antecessor que envolveu Saikawa e outros executivos da Nissan. Especificamente, a auditoria constatou que Saikawa aumentou sua remuneração em 47 milhões de ienes (US$ 440 mil), alegadamente alterando os termos de um bônus.

Mesmo que Uchida, 53 anos, tenha entrado na Nissan apenas em 2003, ele é visto como uma pessoa de relacionamento positivo com a montadora francesa Renault, que possui 43% da empresa em uma aliança que Ghosn liderou por cerca de duas décadas. A Nissan possui cerca de 15% da Renault, mas não tem direito a voto.

VEJA TAMBÉM: Nissan cortará 12.500 empregos até março de 2023

“É necessário uma liderança forte”, disse Yasushi Kimura, presidente da Nissan, em entrevista coletiva. “Uma liderança do grupo onde todos se apoiam será mais transparente.”

Uma fonte próxima à Renault descreveu a promoção de Uchida para a Reuters como “uma vitória para a aliança”.

Ghosn, antes do escândalo, estava trabalhando para uma fusão completa da Renault e da Nissan, mas alguns executivos da empresa japonesa resistiram a esse esforço.

Para complicar ainda mais o assunto, houve uma proposta da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), em maio, de fundir seus negócios com a Renault. A ideia fracassou quando o governo francês, que detém 15% da Renault, anunciou que não poderia decidir rapidamente sobre a proposta.

Enquanto isso, o desempenho financeiro da Nissan caiu abaixo das expectativas dos investidores no ano passado.

Em julho, a empresa informou que seu lucro no período encerrado em 30 de junho caiu cerca de 94,5% em relação ao ano anterior e as vendas globais tiveram queda de quase 7%. Também comunicou que demitirá 12.500 trabalhadores. As medidas de redução de custos ocorrem quando as vendas globais de automóveis estão em queda e os fabricantes estão gastando pesadamente em tecnologias como carros autônomos e motores elétricos, cuja lucratividade permanece incerta.

Um associado de Uchida descreveu o novo CEO da Reuters como “não japonês” em seu estilo de gestão ou “ou muito direto em sua linguagem, fácil de entender”. Ele fala inglês fluentemente e trabalhou diretamente com a Renault em questões de compras.

Antes de entrar na Nissan, Uchida trabalhou para a Nissho Iwai, agora de propriedade da trading Sojitz. Ele se formou na Universidade Doshisha, em Kyoto, com um diploma em teologia.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).