Tudo que você precisa saber sobre a libra, a criptmoeda do Facebook

Thomas Trutschel/Photothek/Getty Images
O objetivo do Facebook é que a libra seja uma “stablecoin”, que significa ser uma criptomoeda de valor mais estável

Resumo:

  • Desde que anunciou o lançamento da libra, o Facebook tem mantido a atenção da mídia e de grandes empresas;
  • A criptomoeda da gigante de tecnologia pode revolucionar de vez a indústria dos meios de pagamentos;
  • Confira o que já se sabe sobre a nova criptomoeda e aprenda seus conceitos básicos.

Uma criptomoeda será lançada em 2020 – a libra. Com o apoio de várias gigantes do Vale do Silício que formam a Libra Association, o Facebook lidera a adoção de criptomoedas. Confira a seguir tudo que você precisa saber esse novo cenário.

O que é uma criptomoeda?

Mesmo com as diversas criptomoedas já lançadas, a mais popular é o bitcoin. Todas são baseadas no conceito do blockchain – um arquivo distribuído que pode ser acessado por diversos computadores e não possui uma única entidade de controle. Blockchains contêm informações criptografadas que não podem ser mudadas, a não ser que o usuário tenha a chave necessária para isso. Essas mudanças são replicadas em toda a cadeia. A tecnologia, pública, é muito segura. As criptomoedas são moedas que usam blockchains matemáticos para a troca de valores, em vez de bancos, como no modelo convencional.

LEIA MAIS: Facebook manterá lançamento da libra no próximo ano, diz executivo

A libra

O Facebook anunciou a libra no dia 18 de junho de 2019. Um grupo suíço chamado Libra Association controlará a moeda. Atualmente, ele é formado por integrantes de 28 companhias, incluindo Facebook, MasterCard, Visa, PayPal, Lyft, Uber e Spotify, e pretende ter 100 até 2020, quando a libra será lançada.

De acordo com o relatório lançado para explicar como funcionará, a libra usará o blockchain. No entanto, é importante entender que a moeda é um pouco diferente do modelo tradicional. Veja, a seguir, o porquê:

1. Um blockchain tradicional é descentralizado. A libra não é descentralizada da mesma maneira que o bitcoin, já que os “nodes” (computadores independentes que processam e verificam um blockchain) da libra só serão executados por servidores de um dos 28 membros da Libra Association. Quando perguntado sobre o motivo de tal modelo, o Facebook respondeu que a libra não pode ser totalmente descentralizada se quiser formar uma “infraestrutura global financeira”. O objetivo é que a criptomoeda seja capaz de realizar 1 mil transações por segundo – o bitcoin processa apenas sete transações por segundo, o que é pouco quando comparado à rede de pagamento da Visa, que realiza 24 mil transações por segundo.

2.A libra também é considerada uma “stablecoin”, ou moeda estável, em tradução livre. Seu valor será ligado a bens formados por várias moedas guardadas pela Libra Association. Isso minimiza a volatilidade da criptomoeda. Uma carta do Facebook ao político alemão Fabio De Masi explica que a libra será 50% ligada ao dólar, 18% ao euro, 14% ao yen japonês, 11% à libra esterlina e 7% ao dólar de Singapura. O yuan chinês, moeda da segunda maior economia do mundo, ficou de fora. Existem benefícios e malefícios para essa exclusão, mas alguns acreditam que isso pode ajudar a convencer os reguladores norte-americanos.

Como os líderes estão reagindo à libra

O Facebook vem sofrendo críticas desde que anunciou a libra. Reguladores e legisladores pelo mundo todo estão preocupados com o impacto que a criptomoeda terá sobre a estabilidade financeira. A União Europeia lançou uma investigação sobre a Libra Association no que diz respeito a questões antitruste. Nos Estados Unidos, legisladores estão pressionando a empresa de Mark Zuckerberg para que interrompa o projeto até que todos os pontos controversos sejam analisados e resolvidos. Graças a tais preocupações, alguns dos apoiadores originais da libra estão desistindo da iniciativa.

Na França, o ministro da economia e finanças Bruno Le Maire disse que “não autoriza o desenvolvimento da libra em solo europeu”, já que ela ameaçaria a soberania monetária.

Alguns líderes mundiais se preocupam com o impacto da criptomoeda sobre suas estabilidades financeiras nacionais. O Facebook refuta essas acusações e aponta para o fato de que a libra é uma stablecoin, e que tem uma reserva de moedas na qual se apoiar.

Um representante da libra disse ao “The Independent”: “Nós acolhemos esse escrutínio e criamos deliberadamente um cenário que permite essas conversas, educa os envolvidos e incorpora feedbacks”.

Existe, com certeza, uma revolução em curso na tecnologia de pagamentos, da chinesa Alipay à libra do Facebook. Já que finanças são uma parte crucial da infraestrutura do mundo e uma crise em um mercado pode afetar todos, os governos e reguladores querem analisar essa tecnologia criticamente e protegê-la de possíveis fraudes, mas eles não podem limitar seu uso. Por isso, as respostas para essas perguntas são cruciais antes do lançamento da libra em 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).