Bitcoin completa baixa de seis meses

Criptomoeda alcançou valor menor que US$ 7.000 pela primeira vez desde maio.

Mariana Labbate
Compartilhe esta publicação:
Avishek Das/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Avishek Das/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Na manhã de sexta-feira (22), o valor da moeda caiu para menos de US$ 7,000

Acessibilidade


Resumo:

  • O bitcoin continua em queda, batendo a marca dos seis meses;
  • Hoje (22), a criptomoeda completou 200 dias com uma média em constante baixa, marca significativa para o bitcoin;
  • A causa da queda pelo menos hoje foi um anúncio feito pelo banco central chinês.

Na manhã de hoje (22), o valor do bitcoin caía para US$ 6.914, menos de US$ 7.000 pela primeira vez desde maio deste ano. Com essa nova queda, o bitcoin alcançou a marca de 200 dias em baixa, algo significante para a criptomoeda, que normalmente se recupera dentro deste período.

LEIA MAIS: Mineradora de bitcoin Canaan Creative faz registro para IPO de US$ 400 mi nos EUA

Após a marca dos 200 dias, exchanges e negociadores consideram a criptomoeda “fraca”, e não mais uma boa oportunidade de compra. O bitcoin já havia batido o nível dos 200 dias em abril deste ano. Além dele, ether, litecoin e XRP também estão em baixa.

Desde o começo do dia, o bitcoin se recuperou um pouco, alcançando US$ 7.107, mas não se pode ignorar a clara tendência de baixa pela qual a criptomoeda está passando.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um dos principais motivos apontados para a queda foi o aviso dado pelo “People’s Bank of China”, o banco central da China, que vem alarmando os chineses quanto aos perigos do bitcoin. O banco anunciou nesta sexta-feira que vai focar em combater ilegalidades no mundo cripto e também pediu que os chineses prestassem atenção à diferença entre criptomoedas e blockchain (a tecnologia que as suporta).

O banco já havia anunciado antes que estaria trabalhando em sua própria criptomoeda, apoiada pelo Estado.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: