Comissária da UE diz que Apple Pay gera preocupações sobre concorrência

Margrethe Vestager busca informações sobre se empresas de vendas online foram instruídas a usar o serviço da Apple.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Francois Lenoir/Reuters
Francois Lenoir/Reuters

Margrethe Vestager disse, no ano passado, que poderia investigar o Apple Pay se houvesse queixas formais

Acessibilidade


O serviço de pagamentos móveis da Apple, Apple Pay, gerou múltiplas preocupações regulatórias, disse a chefe de antitruste da Europa hoje (7).

LEIA MAIS: Como Apple, Disney, AT&T e Netflix manterão seus assinantes de streaming?

Os comentários da Comissária da Concorrência Margrethe Vestager vieram enquanto ela busca informações sobre se empresas de vendas online foram instruídas a usar o serviço de pagamento móvel da Apple em vez dos de concorrentes, mostrou um documento da UE visto pela Reuters.

Em entrevista à Reuters no ano passado, Vestager disse que poderia investigar o Apple Pay se houvesse queixas formais.

“Temos feito muitas perguntas porque temos muitas preocupações quando se trata do Apple Pay sobre concorrência”, disse Vestager em entrevista à “Web Summit”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Lançado em outubro de 2014 e disponível em mais de 50 países, incluindo mais de 20 estados membros da UE, o Apple Pay marca a diversificação da empresa das vendas de dispositivos.

Vestager, que mantém o cargo de chefe de concorrência na nova Comissão, que deve começar a trabalhar em 1º de dezembro, ganhou reputação de ser rígida, especialmente contra empresas de tecnologia, distribuindo pesadas multas e ordenando que mudem suas práticas de negócios.

Na próxima comissão, ela terá um mandato ampliado que poderá levá-la a um papel mais proativo, incluindo a introdução de legislação para domesticar gigantes da tecnologia que violam regras antitruste da UE.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: