Uber enfrenta escolhas caras após especialista descobrir que empresa usa tecnologia da Waymo

Companhia precisará decidir sobre o próximo passo na disputa de segredos comerciais.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
ReutersGinnette-Riquelme
ReutersGinnette-Riquelme

O objetivo da empresa é o desenvolvimento de softwares e hardwares para instalar em carros e caminhões e permitir serviços sem motorista

Acessibilidade


A Uber disse que provavelmente terá que fechar um acordo de licenciamento com a Waymo ou optar por fazer caras mudanças em seu software de direção autônoma, depois que um especialista descobriu que a empresa ainda usa a tecnologia do Google, da Alphabet.

Embora não estivesse claro quando a empresa precisará decidir sobre o próximo passo na disputa de segredos comerciais, a Uber, disse em um documento na terça-feira (5) que um desvio no desenvolvimento de software “poderia limitar ou atrasar a produção de tecnologias de veículos autônomos”.

A Uber está correndo para acompanhar a Waymo no desenvolvimento de softwares e hardwares para instalar em carros e caminhões para permitir serviços de táxi e entregas sem motorista.

VEJA MAIS: Uber supera estimativas de receita para o 3º trimestre

O exame especializado do software da Uber fez parte de um acordo legal alcançado em fevereiro de 2018 que interrompeu abruptamente um julgamento sobre se a empresa se beneficiou injustamente de ideias confidenciais supostamente protegidas por contratar ex-engenheiros da Waymo como os principais membros de sua equipe de veículos autônomos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Uber se recusou a fornecer mais detalhes.

A Waymo disse à Reuters em um comunicado que as descobertas do especialista independente “confirmam ainda mais as alegações da Waymo de que a Uber se apropriou de propriedade intelectual de software. Continuaremos a tomar as medidas necessárias para garantir que nossas informações confidenciais não sejam usadas pela Uber”.

No ano passado, o presidente-executivo da Uber, Dara Khosrowshahi, expressou confiança de que a empresa não havia usado as informações de propriedade da Waymo em seu hardware ou software.

Porém, em abril deste ano, semanas antes de sua oferta pública inicial, a Uber divulgou que as descobertas intermediárias do revisor especialista em softwares eram variadas e poderiam ser caras.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: