Canva: saiba como uma jovem surfista criou o fenômeno de design de US$ 3,2 bi

Getty Images
Melanie Perkins viu nas escolas e universidades a necessidade de uma ferramenta de desenho digital simplificada

Resumo:

  • O Canva foi fundado na cidade australiana de Perth, cuja a economia é baseada em mineração e indústria petroquímica;
  • A plataforma de design tem um modelo de negócio freemium e também um plano direcionado a empresas;
  • Melanie Perkins e seu noivo, Cliff Obrecht, possuem juntos uma fortuna de US$ 800 milhões.

Em uma manhã nublada de maio de 2013, a CEO do Canva, Melanie Perkins, viu-se à deriva em seu kiteboard, no canal entre Necker e Moskito, ilhas privadas do bilionário Richard Branson.

Com sua vela de 10 metros flutuando desinflada e inútil a seu lado na forte corrente leste do Caribe, a empresária de 26 anos esperou horas para ser resgatada. Enquanto estava na água, com a perna esquerda marcada por uma colisão com um recife de coral, lembrou-se de que seu novo e perigoso hobby valia a pena. Afinal, era a chave para a estratégia de captação de recursos para a startup de software de design que ela havia fundado com o namorado seis anos antes.

LEIA MAIS: Fabiano Virginio, do Istituto Europeo di Design, diz que estética importa para os negócios

O Canva estava sediado na Austrália, a milhares de quilômetros do poderoso Vale do Silício. Conseguir uma reunião ou um financiamento estava se mostrando difícil. Melanie ouviu “não” de mais de 100 investidores. Então, quando ela conheceu o organizador de um grupo de capitalistas de risco de kitesurf em uma competição de arremesso em sua terra natal, Perth, começou a treinar. Na próxima vez em que o grupo se reunisse para ouvir propostas de abertura e, potencialmente, escrever verificações cruciais de financiamento no estágio inicial, ela estaria na mesma onda – mesmo que isso significasse ter de enfrentar águas traiçoeiras. “Foi como, risco: danos sérios; recompensa: iniciar empresa”, conta Melanie. “Se você colocar o pé na porta um pouquinho, terá de entrar o corpo todo.”

Essa perseverança é uma necessidade no Canva, que começou como um modesto negócio de design de anuários na capital do estado de Perth, na costa oeste da Austrália. A partir dessas origens remotas, a plataforma cresceu e se transformou em um grande obstáculo global. Mais de 20 milhões de usuários de 190 países usam o aplicativo “freemium” da empresa para projetar tudo, desde gráficos impressionantes do Pinterest a menus elegantes de restaurantes. Além de um preço imbatível (milhões de usuários não pagam nada), a principal vantagem do Canva sobre os rivais gigantes da tecnologia como a Adobe tem sido sua facilidade de uso. Antes do site, os amadores tinham de improvisar algo no Microsoft Word ou pagar artistas profissionais. Hoje, qualquer pessoa, em qualquer lugar, pode baixar o Canva e criar uma arte em dez minutos.

A receita da empresa vem do upselling para uma versão premium de US$ 10 por mês com recursos mais sofisticados e, mais recentemente, das vendas de contas corporativas. Fotos de alta qualidade custam cerca de US$ 1. Neste ano, a empresa espera mais do que dobrar sua receita para US$ 200 milhões; a mais recente rodada de financiamento de US$ 85 milhões a valorizou em US$ 3,2 bilhões. Melanie, que fez parte da lista FORBES 30 Under 30 2016 Asia, tem uma participação estimada em 15%, avaliada em US$ 430 milhões. Somada a fortuna à de Cliff Obrecht, noivo e cofundador de 34 anos, o casal acumula mais de US$ 800 milhões.

Em uma era de cheques de bilhões de dólares, Melanie e Obrecht fazem as coisas de maneira diferente. Eles preferem viagens econômicas a jatos particulares. No meio de 2019, com o Canva já avaliado em mais de US$ 2 bilhões, Obrecht propôs a Melanie um passeio na região da Capadócia, na Turquia, ideal para mochileiros, com um anel de noivado de US$ 30). “Temos muita consciência de não assumir muito capital, porque fomos rentáveis ​​nos últimos dois anos”, diz Melanie.

Melanie mostra a todos os novatos (atualmente são 700 funcionários) um resumo completo dos principais números financeiros do Canva e dos pitchs anteriores de investidores. A medida que o Canva cresce, ela tenta provar que é possível construir uma gigante global da tecnologia de qualquer lugar. “Melanie é um tipo raro de empreendedor, dos quais você geralmente não encontra em qualquer lugar”, diz Mary Meeker, uma investidora experiente na internet cuja nova empresa, Bond Capital, investiu na plataforma em maio.

A família de Melanie brinca dizendo que ela tem um plano de 100 pontos para mudar o mundo. Primeiro, o Canva tem um desafio muito mais direto: conquistar os grandes negócios. Como aconteceu com Atlassian, Slack e Zoom anteriormente, o Canva enfrenta um dilema clássico: um modelo freemium pode torná-lo viral, mas a maioria dos usuários nunca paga um centavo. E, embora o site diga que tem usuários em quase todas as grandes empresas hoje em dia, eles geralmente são indivíduos não autorizados ou equipes pequenas, não contas corporativas oficiais. Subir no mercado de alto nível significa lidar cada vez mais com a Adobe, a gigante gráfica de US$ 149 bilhões (capitalização de mercado) que faturou US$ 1,65 bilhão em receita no último trimestre apenas com sua unidade focada em design. Depois, há uma série de startups de alto desempenho, como Figma e Sketch, que atendem aos profissionais, mas podem migrar para consumidores finais. E isso nem leva em consideração as ambições do Canva em novos meios, como vídeos e apresentações, que podem se opor a tudo, desde pequenos aplicativos de criação de vídeos do Instagram até a Microsoft, criadora do blockbuster PowerPoint.

É assustador, para dizer o mínimo, mas, para Melanie, que já transformou os players do Vale do Silício em torcedores ansiosos e dominou o mercado chinês, está tudo indo conforme o planejado. “Sinto que fizemos um trabalho incrível, mas fizemos muito pouco em comparação com o que queremos fazer. Fizemos 1% do que considero possível”, diz. “Nossa missão da empresa é capacitar o mundo para projetar. E realmente queremos dizer o mundo inteiro.”

VEJA TAMBÉM: Designer autodidata de 28 anos é a rainha dos memes

Em 2007, Melanie criou o primeiro esboço do que seria o Canva, na sala de estar de sua mãe, em Perth. Filha de uma professora australiana e de um engenheiro malaio de origem filipina e cingalesa, a empreendedora queria ser uma patinadora profissional, o que a levava a acordar às 4h30 da manhã, antes de se matricular na Universidade da Austrália Ocidental. Lá, enquanto ensinava aos colegas estudantes o design básico de computadores como parte de seus estudos de comunicação e comércio, ela teve uma ideia. O processo de projetar e imprimir um pôster ou um panfleto –compondo-o no Adobe Photoshop ou Microsoft Word, convertendo-o no tamanho certo e salvando-o como PDF, e levando-o a uma gráfica para imprimir– pareceu complicado na época da internet. Não seria muito melhor fazer tudo em um só lugar com uma ferramenta online?

“A ideia de tornar o design realmente simples foi a primeira”, diz ela.

O problema parecia tão óbvio que Melanie temia que outra pessoa o solucionasse antes dela. Então, ela contratou freelancers para criar um site em Flash e atingir um nicho que ela identificou como estável e mal atendido: anuários escolares, geralmente de responsabilidade dos estudantes voluntários. A startup, a Fusion Books, encontrou um mercado imediatamente. E, com um semestre de faculdade faltando, Melanie colocou seus estudos em pausa. Na alta temporada, a mãe dela alimentou a impressora com tinta dia e noite. Obrecht trabalhava nos telefones com clientes em prospecto. Quando as escolas quiseram falar com um gerente, Obrecht simplesmente mudou o tom de voz. O negócio chegou a 400 escolas, com licenciados chegando à França. Foi um começo. Mas Melanie não poderia ir muito além sem financiamento, ainda mais sediada em uma cidade com economia baseada em mineração e petroquímica.

Ela identificou – e aproveitou – as oportunidades mais estreitas de 2011, quando um antigo capitalista de risco do Vale do Silício chamado Bill Tai veio a Perth para julgar uma competição de startups. Kitesurfista experiente, que apoiou o TweetDeck e o Zoom, Tai estava na cidade principalmente para brincar nas ondas. Melanie e Obrecht entraram de bico em um jantar que Tai estava oferecendo e emboscaram os participantes com um argumento para algo chamado Canvas Chef: uma pizza metafórica, com elementos de design fazendo as vezes de coberturas, e tipos de documentos – panfleto, cartão de visita, menu de restaurante – como a massa. “Não era a analogia mais elegante”, diz Rick Baker, um investidor que viu o discurso naquela noite.

Os fundadores saíram sem capital, mas com um novo entusiasmo por esportes aquáticos extremos. Esse foi um ponto de encontro nas reuniões subsequentes de kitesurfe de Tai, que apresentavam executivos de tecnologia de destaque que procuravam investir em novas startups. Em Maui, depois que um amigo de Peter Thiel disse que eles precisavam de um único líder, Melanie se a CEO.

Melanie e Obrecht tiveram pior sorte em suas visitas ao Vale do Silício na Sand Hill Road. Dezenas de empresas repassaram os cofundadores pouco conhecidos e ligados romanticamente a partir de uma zona morta. “Sinceramente, e infelizmente, não estou confortável em fazer um acordo na Austrália”, escreveu um deles. “Não tenho certeza de que faz sentido”, disse outro.

No final, as conexões de busca de ondas valeram a pena. Através do grupo, eles conheceram Cameron Adams, 40, um ex-Googler que fundou uma startup, em Sydney. Esperando encontrá-los como consultores em março de 2012, Adams assinaria como terceiro cofundador em junho seguinte. Agora que eles tinham um líder técnico, os fundadores conseguiram: o Canva levantou US$ 3 milhões em financiamento em duas parcelas em 2012 e no início de 2013, incluindo uma bolsa por parte do governo australiano.

A empresa foi lançada em agosto de 2013 com algumas revisões em blogs de tecnologia e poucos usuários. Adams e os engenheiros do Canva, que ficaram acordados até tarde em Sydney (a empresa se mudou para lá em fevereiro de 2012) para lidar com o afluxo esperado de inscrições, foram adormecidos. O que ninguém sabia ainda era que o timing do Canva era perfeito. A ascensão do Instagram e do Twitter estava mudando a forma como as empresas alcançavam os clientes. De escolas a escritórios, pistas de patinação e autores autopublicados, todos de repente se preocuparam muito com a presença online. O Canva era uma maneira acessível de ter uma boa aparência. A quantidade de inscrições aumentou para 50 mil usuários no primeiro mês; em 2014, quando o Canva levantou outros US$ 3 milhões do Thiel’s Founders Fund e da Shasta Ventures, 600 mil usuários fizeram 3,5 milhões de designs.

LEIA AQUI: 4 sites de aprendizado indicados por Bill Gates

Na China, um mercado de incógnitas históricas para fabricantes de software ocidentais, o Canva é um sucesso raro. Obrecht – um homem alto e amável que, como COO, costuma reunir as tropas (ou dar más notícias) – abriu o primeiro escritório do Canva fora de Sydney, em Manila, em 2014, depois contratou o ex-chefe da unidade chinesa do LinkedIn para construir um escritório na China continental. Hoje, uma equipe de engenharia local lida com a primeira versão do Canva na China, construída a partir do zero, com recursos como integrações profundas com aplicativos de mensagens chineses e QR codes fáceis de criar, que são populares por lá. O McDonald’s China é um cliente, assim como uma corretora imobiliária nacional que oferece o software para seus mil agentes.

Quando se trata de atender grandes empresas, o Canva ainda é um novato. O lançamento do Canva for Enterprise, em outubro, aconteceu em um evento particular em Nova York. Perkins dirigiu-se a funcionários de cerca de 100 empresas, incluindo Equinox, JPMorgan e HubSpot.

Um início lento para os negócios corporativos do Canva não afundará a empresa. Em dezembro, a empresa conseguiu se igualar à Adobe em outros features, anunciando uma ferramenta de edição de vídeo e um conjunto de aplicativos; a empresa ainda está trabalhando em melhorias em sua alternativa gratuita ao Microsoft PowerPoint, que já foi usado para fazer 80 milhões de apresentações. Mas as perspectivas de crescimento a longo prazo do Canva dependem de as empresas progredirem de pequenos bolsos de fãs para contas que atingem milhares de funcionários. Depois de anos adicionando mais recursos ao conjunto do Canva, Melanie está apostando na abordagem oposta para a América corporativa. Ao oferecer conjuntos limitados de modelos e opções, o Canva espera que os executivos confiem em mais funcionários para criar seu próprio conteúdo. Na Realty Austin, uma empresa imobiliária residencial e comercial de médio porte do Texas, uma equipe de seis pessoas costumava criar todos os folhetos impressos e ativos digitais para seus agentes promoverem eventos. Agora, com o Canva, os mais de 550 corretores da criam material próprio, mais rapidamente e em seu próprio tempo.

A Adobe não está dormindo enquanto tudo isso acontece. Ela oferece seu próprio aplicativo freemium, baseado em modelos, chamado Adobe Spark, desde 2016. Embora o Canva afirme que suas ferramentas são usadas em 50 mil universidades e 25 mil organizações sem fins lucrativos, a empresa americana diz que entregou 23 milhões de contas gratuitas do Spark a alunos e professores. Em dezembro de 2017, a Adobe se reuniu com Scott Belsky, o empresário cujo negócio de mídia social a Behance adquiriu em 2012, para incutir um ethos mais obscuro em suas equipes de produtos. “Eles sentem que são os menos favorecidos porque pensam: ‘Não somos a startup mais legal’”, diz Belsky, diretor de produtos da unidade Creative Cloud da Adobe.

Depois, existem as dores de crescimento típicas da startup. Até dois anos atrás, a ferramenta do Canva para editar seu código principal era tão desajeitada que apenas cinco engenheiros podiam trabalhar nela por vez. No ano passado, grande parte do foco da empresa era a reescrita completa da interface front-end de seu aplicativo. “Estamos crescendo tão rápido que as coisas estão quebrando constantemente”, admite Obrecht. E em maio, o site sofreu seu maior teste de confiança do cliente até o momento. Dias depois de a plataforma anunciar que o investimento da Meeker avaliava a empresa em US$ 2,5 bilhões, um hacker na Europa violou seus sistemas, baixando 139 milhões de nomes de usuários e endereços de e-mail antes que o Canva pudesse interromper o ataque.

Presos na Califórnia, Melanie e Obrecht conversaram por telefone e mensagens de texto com os coCEOs e cofundadores da Atlassian (e investidores do Canva), Mike Cannon-Brookes e Scott Farquhar, chegando ao bilionário Farquhar. A pedido deles, o Canva ligou para o FBI e lançou uma revisão formal; duas semanas depois, a empresa anunciou a autenticação de dois fatores para todos os usuários. Embora Melanie diga que os usuários do Canva reagiram apoiando a empresa, foi um aviso: com um melhor reconhecimento, um alvo maior está nas suas costas.

As pessoas mais próximas a Melanie estão confiantes de que ela pode lidar com a pressão. Guy Kawasaki começou sua carreira como um homem-propaganda de Steve Jobs, viajando pelo mundo para divulgar todas as coisas da Apple nos anos 1980. O ex-colunista da Forbes diz que está feliz em terminar sua carreira fazendo o mesmo para Melanie, investindo no Canva e ingressando na empresa como “evangelista-chefe” em 2014. “Mais pessoas podem usar a democratização do design do que um Macintosh”, ele diz. “Você não precisa estar no Vale do Silício, nem nos Estados Unidos, para ter sucesso”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).