Acidente de avião no Irã mata 176 e levanta questões sobre motivos da queda

GettyImages/ANADOLU AGENCY
GettyImages/ANADOLU AGENCY

Escombros da aeronave da Boeing. As causas do acidente ainda estão sendo avaliadas

O acidente de um Boeing 737-800 operado pela Ukraine International Airlines na manhã de hoje (8), perto de Teerã, promete estimular intensa especulação sobre sua causa, horas depois de o Irã ter lançado ataques de mísseis nas bases americanas no Iraque e em meio à crise internacional vivida pelo modelo 737-MAX.

LEIA MAIS: A história do drone que matou o major-general iraniano Qassem Soleimani

O vôo PS 752 parecia estar subindo normalmente após a decolagem do aeroporto Imam Khomeini, em Teerã, dizem dois especialistas em segurança aérea, com direção, altitude e velocidade no ar consistentes com o mesmo voo dos dias anteriores, com base nos dados dos transponders do Flightradar24. O fluxo de informação é cortado abruptamente a cerca de três minutos e meio de voo, com o avião a uma altitude de 8.000 pés.

É incomum que um acidente comece nessa fase do voo, disse John Goglia, ex-mecânico de linhas aéreas e membro do conselho do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA. “A parte arriscada da decolagem já passou”, diz ele. “Oito mil pés é uma altitude em que a tripulação se sente confortável e o avião está se estabilizando no voo.”

O desastre matou todos os 176 a bordo da aeronave –uma das melhores da frota da Ukraine International Airlines segundo a aérea e sem sinais de problemas antes do acidente. O avião foi entregue à UIA em 2016 diretamente da Boeing e havia passado por manutenção programada em 6 de janeiro. A companhia aérea disse que os pilotos eram altamente experientes.

No que pode ser um sinal de que a catástrofe se desenvolveu rapidamente, com base nos dados do Flightradar24, parece que os pilotos não mudaram seu código de resposta do transponder para sinalizar uma emergência.

Um vídeo compartilhado online pela Agência de Notícias dos Estudantes Iranianos mostraria a aeronave caindo em chamas e explodindo em contato com o solo. A gravação, no entanto, ainda não foi verificada e não há fotos que mostrem uma cratera de impacto, disse Kristy Kiernan, professora assistente da Universidade Embry-Riddle e ex-oficial de segurança aérea da Guarda Costeira dos EUA.

Embora ainda não tenham sido divulgadas fotos que mostrem todo o campo de destroços, Kristy disse que as imagens que ela viu sugerem que pode ter ocorrido uma explosão a bordo. “Ele é deformado antes do contato e dispersado de maneira não consistente com a colisão de uma aeronave intacta com o solo”, disse ela.

Embora Goglia tenha alertado que é prematuro tirar conclusões, ele disse que os investigadores provavelmente estarão considerando se o avião foi derrubado por uma bomba ou por um ataque militar equivocado.

Pouco depois da 1h, horário local, as forças iranianas lançaram mísseis em duas bases dos EUA no Iraque, e provavelmente estavam em alerta por um contra-ataque.

LEIA TAMBÉM: Preços do petróleo caem conforme preocupação com ataque iraniano diminui

Determinar a causa de uma falha geralmente leva meses de análise. Os gravadores de voz e dados da cabine do avião foram encontrados, mas o chefe da agência de aviação civil do Irã, Ali Abedzadeh, disse que ainda não foi decidido para onde serão enviados para análise e não serão compartilhados com a Boeing e as autoridades norte-americanas, de acordo com a agência de notícias Mehr. Geralmente, as autoridades de aviação do país que governa o fabricante do avião participam da investigação.

Abedzadeh disse que não havia evidências de problemas técnicos com o avião.

O desastre é outro desenvolvimento preocupante para a Boeing, que foi abalada pelas críticas ao 737 MAX, a versão mais recente de seu avião mais vendido, depois de dois acidentes mortais em cinco meses que mataram 346 pessoas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).