Como criar um bilionário: o sucesso de Elon Musk do ponto de vista de sua mãe, Maye

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

Maye Musk reflete sobre sua carreira e criação bem-sucedida dos filhos em seu novo livro

Muito antes de o mundo ficar fascinado com Elon Musk, sua mãe, Maye Musk, trabalhava para se tornar uma estrela em sua própria maneira.

Maye nasceu em Saskatchewan, no Canadá, em 1948, em uma família de cinco filhos que se mudou para Pretória, na África do Sul, em 1950. Aos 22 anos, ela se casou com o namorado do ensino médio, mas depois de nove anos em um casamento abusivo, os dois se separaram, deixando Maye para criar seus três filhos como mãe solteira. Para sustentar as crianças, ela trabalhou como nutricionista ajudando pacientes com condições médicas como pré-diabetes ou colesterol alto e como a primeira modelo plus size da África do Sul, com aparições na “Vogue” e na “Cosmopolitan”.

Aos 71 anos, Maye reflete sobre sua carreira e criação bem-sucedida dos filhos em seu novo livro “A Woman Makes a Plan: Advice for a Lifetime of Adventure, Beauty, and Success” (algo como “Uma Mulher Faz um Plano: Conselhos para uma Vida Inteira de Aventura, Beleza e Sucesso”, sem tradução em português). 

Veja a seguir um trecho da obra traduzido:

“Aos 31, eu era mãe solteira e tinha três filhos, e minha prioridade era cuidar deles.

Minha mãe nunca se sentiu culpada por trabalhar em período integral. E eu também nunca me senti culpada por trabalhar em período integral, porque não tinha escolha. Trabalhei para manter um teto sobre nossas cabeças, comida em nossos estômagos e roupas básicas em nossos corpos. Meus filhos tinham de ser responsáveis ​​por si mesmos e ter consideração pelo meu trabalho, pois eu havia convertido um quarto em escritório. Não há necessidade de se sentir culpado. Se você não trabalha e fica ressentido, não será divertido para seus filhos. Para ter uma atitude melhor, você precisa planejar trabalhar em período parcial ou integral e obter ajuda da forma que puder.

VEJA TAMBÉM: Musk se aproxima de pagamento de US$ 346 milhões

Desde muito pequenas, as crianças me ajudaram com o meu negócio de nutrição. Minha filha Tosca entrava no meu escritório e digitava cartas aos médicos em um processador de texto. Ela adicionava o nome e o endereço do médico e as saudações básicas, bem como o nome do paciente, e eu o preenchia com a consulta e possíveis resultados. Pouco surpreendentemente, meu filho mais velho, Elon, era muito bom em ajudar a explicar as funções do processador de texto para mim. E meu filho mais novo, Kimbal, sempre foi útil também. O que posso dizer? Eu precisava de ajuda.

Criei meus filhos como meus pais nos criaram quando éramos jovens; para serem independentes, gentis, honestos, atenciosos e educados para trabalhar duro e fazer coisas boas. Eu não os tratei como bebês ou os repreendi. Eu nunca disse a eles o que estudar. Eles apenas me informaram o que estavam estudando ou não. Eu não verifiquei o dever de casa; essa era a responsabilidade deles. Certamente, não prejudicou suas carreiras. Acho que meus irmãos e eu nos beneficiamos, e meus filhos se beneficiaram de assumir a responsabilidade desde o início.

À medida que envelheciam, continuaram a assumir a responsabilidade por seu próprio futuro através das decisões que tomavam. Tosca escolheu sua própria escola. Todos se inscreveram nas universidades de sua escolha e concluíram seus pedidos de bolsas de estudos e empréstimos para estudantes. Meus filhos se beneficiaram porque me viram trabalhar duro apenas para colocar um teto sobre nossas cabeças, colocar comida em nossos estômagos e comprar roupas de segunda mão. Eles querem que vocês saibam o quanto eu lutei, pois a vida parece tão fácil para mim agora.

Na época da faculdade, viviam em péssimas condições, com colchões no chão, seis colegas de quarto ou uma casa em ruínas, mas estavam bem com isso.

Se seus filhos não estão acostumados a luxos, eles sobrevivem bem. Você não precisa estragá-los. Depois de ter certeza de que seus filhos estão em situações seguras, deixe-os cuidar de si mesmos.

As pessoas costumam me perguntar como eu criei crianças tão bem-sucedidas. Eu fiz isso deixando-os seguir seus interesses.

Se eles preferem iniciar um negócio e você acha que é uma boa ideia, apoie-os. Ensine aos seus filhos boas maneiras, mas deixe-os decidir o que querem.

Amo meus filhos e tenho muito orgulho deles por tudo o que realizaram. Meu filho mais velho, Elon, está fabricando carros elétricos para salvar o meio ambiente e lançando foguetes. Meu filho do meio, Kimbal, abriu restaurantes farm-to-table e está ensinando crianças em todo o país a construir hortas de frutas e vegetais em escolas carentes. Minha filha mais nova, Tosca, toca sua própria empresa de entretenimento, produzindo e dirigindo filmes de romances de best-sellers. Todos eles têm interesses diferentes.

LEIA MAIS: Os novos barões da cerveja: como dois garotos escoceses transformaram sabores extravagantes, crowdfunding e muita atitude em um negócio de US$ 2 bilhões

Isso me lembra meus irmãos e eu; todos nós seguimos nosso próprio caminho. Meus pais ficaram felizes em apoiar nossos diferentes interesses. Da mesma forma, meus filhos mostraram seus interesses desde cedo e, até hoje, continuam com os mesmos interesses e os amam.

Quando eles precisavam, eu os encorajava e os ajudava. Quando eles quiseram conselhos, eu dei.

Quando Elon era jovem, por exemplo, notei que ele lia tudo. Eu também era leitora, mas esquecia uma história no momento em que terminava. Elon, por outro lado, lembrava-se de tudo que lia. Ele estava sempre absorvendo informações. Chamamos Elon de Enciclopédia, porque ele havia lido a Enciclopédia Britânica e a Enciclopédia de Collier e lembrava de tudo. É também por isso que o chamamos de Genius Boy (Menino Gênio). Poderíamos perguntar qualquer coisa a ele. Lembre-se, isso foi antes da internet. Acho que agora poderíamos chamá-lo de Internet.

Ele conseguiu seu primeiro computador aos 12 anos. Era 1983 e os computadores eram muito, muito novos. Ele aprendeu a usá-lo e projetou um programa, o BLASTAR, que era um jogo. Mostrei a alguns estudantes universitários que estavam na minha escola de modelos e eles ficaram surpresos que ele conhecia todos os atalhos de codificação. Esses caras estavam no segundo ou terceiro ano em ciência da computação e ficaram muito impressionados.

Então eu disse a ele para enviar o trabalho para uma revista de informática.

Ele enviou o BLASTAR para a “PC Magazine”, e eles lhe mandaram 500 rands (cerca de US$ 500 na época). Eu não acho que eles sabiam que aquilo tinha sido feito por um menino de 12 anos. Foi publicado quando tinha 13. Até então eu não tinha ideia do que ele iria fazer no futuro.

Eu não poderia ter previsto a Tesla, o SpaceX, os restaurantes de Kimbal ou o Passionflix de Tosca. Mas agora vejo o que Elon está realizando com a tecnologia, o que Kimbal está construindo no mundo da gastronomia e o que Tosca está fazendo com os filmes; tudo isso enraizado no que eles amavam quando crianças.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).