Dólar vai a máxima em 6 semanas depois de superar R$ 4,20

Demanda por segurança e exterior impactam câmbio e moeda termina o dia a R$ 4,19.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
ReutersConnect/Gary Cameron
ReutersConnect/Gary Cameron

Sinais em série de perda de vigor da atividade econômica estão entre os motivos da alta do dólar

Acessibilidade


A tentativa de alívio no mercado de câmbio não se sustentou, e o dólar voltou a fechar em alta hoje (16), depois de superar os R$ 4,20 pela primeira vez desde o começo de dezembro, com operadores ainda à espera de sinais mais concretos de melhora da economia e de retorno de ingressos de recursos.

No mercado à vista, o dólar subiu 0,15%, a R$ 4,1912 na venda. É o nível mais alto para um encerramento de sessão deste 4 de dezembro de 2019 (R$ 4,2023 na venda).

LEIA MAIS: Banqueiro é multado em US$ 58 mi por tirar Picasso da Espanha clandestinamente

Na máxima, a cotação foi a R$ 4,2020 na venda (+0,41%), depois de mais cedo cair a R$ 4,1604 (-0,59%).

“O real está tendo uma piora significativa em relação aos pares, indo para o pior momento em muito tempo. Como posição em pré (prefixado) é mais difícil de zerar, as pessoas acabam comprando dólar”, disse Renato Botto, gestor sênior na Absolute Investimentos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os juros futuros de um dia negociados na B3 subiram forte nesta sessão. Luis Laudisio, operador da Renascença, citou expectativa de que o Tesouro Nacional faça ampla oferta de prefixados, especialmente com vencimento em 2031, o que acabou colaborando para aumento de prêmios na curva a termo.

O dólar sobe 4,44% ante o real neste ano, o que coloca a divisa brasileira na lanterna entre 33 rivais em 2020.

Analistas afirmam que a taxa de câmbio tem sido pressionada neste começo de ano por sinais em série de perda de vigor da atividade econômica. O IBC-Br de novembro, divulgado mais cedo, até veio melhor que o esperado, mas o dado de outubro foi revisado para baixo, o que frustrou parte da leitura positiva do indicador.

Quanto menos ímpeto para a atividade, menor chance de retorno de fluxos de investimento estrangeiro, o que pega o país em um quadro de carência de fluxo cambial. No ano passado, mais de US$ 44 bilhões deixaram o Brasil, em termos líquidos, considerando o movimento de câmbio contratado. Foi o pior desempenho anual da história.

“Estou zerado”, disse o profissional de uma grande gestora em São Paulo, explicando posição mais defensiva de um começo de ano mais fraco para os mercados domésticos.

LEIA TAMBÉM: Azul vai operar voo diário Campinas-Nova York a partir de 15 de junho

A recuperação do dólar ante o real nesta sessão também foi alavancada pelo exterior, onde a moeda dos EUA também ganhava terreno depois de firmes dados da economia norte-americana.

O índice do dólar frente a uma cesta de divisas subia 0,09% no fim da tarde, depois de cair mais cedo ao menor patamar em uma semana.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: