Trivago enganou clientes escondendo melhores ofertas

Segundo tribunal australiano, site de viagens privilegiou anúncios que pagavam melhores comissões .

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

Equipe da Trivago durante oferta pública inicial (IPO) da companhia na bolsa de Nova York

Acessibilidade


A Trivago promoveu propaganda enganosa ao veicular anúncios que afirmam que seu serviço mostra os melhores preços de hotéis quando, na verdade, exibe as ofertas que geram as comissões mais altas para o site alemão de comparação de diárias, decidiu um tribunal australiano.

A empresa violou a lei do consumidor da Austrália com as propagandas sobre preços de quartos de hotel em seu site e em anúncios na televisão em 2018, disse Rod Sims, presidente da Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC).

LEIA MAIS: Rede hoteleira Hilton lança marca focada em sustentabilidade

“A Trivago ganha dinheiro com as comissões pagas pelos anunciantes em seu site”, disse Sims. “Eles priorizam quem paga a maior comissão. Portanto, os consumidores estão sendo direcionados aos anunciantes que mais beneficiam a Trivago, em vez dos anunciantes que mais beneficiam os consumidores”, acrescentou.

O órgão de defesa do consumidor da Austrália processou a empresa listada em Frankfurt em agosto devido a alegações de que enganou seus clientes. O juiz federal Mark Moshinksy decidiu contra a empresa ontem (20).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O julgamento de Moshinksy citou casos em que a Trivago excluiu ofertas que não atingiram um limite mínimo de receita para a empresa.

A chefe de comunicações da Trivago, Stephanie Lowenthal, disse que a empresa analisará a decisão do tribunal, que forneceu “novas orientações” sobre como os resultados dos sites de comparação de preços devem ser exibidos na Austrália.

“Estamos trabalhando para entender rapidamente as implicações desta decisão no design do nosso site e seu impacto geral no setor de viagens australiano e na maneira como os sites devem ser projetados na Austrália”, disse Lowenthal.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: