Ações do Grupo SBF disparam após assumir operações da Nike no Brasil

Empresa dona da Centauro explicou que o acordo envolve a aquisição - capital de giro e ativos fiscais - por R$ 900 milhões.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
ReutersCarloAllegri
ReutersCarloAllegri

As ações do Grupo SBF disparavam mais de 10% hoje (6)

Acessibilidade


As ações do Grupo SBF disparavam mais de 10% hoje (6) após anúncio de parceria de distribuição com a Nike, com a empresa dona da Centauro assumindo o controle de operações da marca norte-americana no Brasil.

A empresa brasileira explicou que o acordo envolve a aquisição da Nike Do Brasil – capital de giro e ativos fiscais – por R$ 900 milhões. A Nike do Brasil teve receita operacional líquida de cerca de R$ 2 bilhões no ano fiscal encerrado em 31 de maio de 2019.

Por volta das 11:50, as ações da Centauro saltavam 11%, a R$ 48,09, tendo alcançado R$ 49 na máxima. No mesmo horário, o Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, mas sem as ações em sua composição, subia 0,8%.

O Grupo SBF informou que financiará o valor e contratou Santander Brasil, Itaú BBA e Bradesco BBI para estruturar e implementar o financiamento.

VEJA TAMBÉM: Ação da Locaweb dispara mais de 20% em estreia na B3

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O acordo também contempla a operação de comércio eletrônico da empresa norte-americana por dez anos, bem como as lojas físicas da marca Nike durante um período inicial de cinco anos, segundo fato relevante.

A transação deve ser concluída em meados do ano e está sujeita a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O acordo faz parte da migração pela Nike de seus negócios na América do Sul para parcerias estratégicas, a fim de adotar um modelo de negócios que considera mais lucrativo, eficiente em termos de capital e com valor agregado.

Além do Grupo SBF, a norte-americana também fechou acordo com o Grupo Axo, que assumirá as operações do empresa na Argentina, Chile e Uruguai.

Como resultado das transações, durante o terceiro trimestre do ano fiscal de 2020, a Nike disse que reconhecerá uma perda única e não recorrente relacionada para câmbio de aproximadamente US$ 425 milhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: