Arábia Saudita suspende duas unidades de frango da BRF no Paraná

País quer esclarecimentos sobre supostas violações cometidas na produção de ração e premix.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

Segundo a BRF, a Saudi Food and Drug Authority informa que a medida é temporária

Acessibilidade


A BRF comunicou hoje (17) que o serviço sanitário da Arábia Saudita suspendeu temporariamente dois estabelecimentos da companhia para exportação de carne de frango ao país, enquanto aguarda mais informações sobre supostas violações cometidas pela empresa na produção de ração e premix.

“A SFDA informa que a medida é temporária e solicita às autoridades brasileiras, entre outros, mais detalhes acerca das investigações conduzidas entre 2014 e 2018 sobre supostas violações cometidas pela companhia na produção de ração e premix, preparado contendo vitaminas e aminoácidos”, disse a BRF, citando que tomou conhecimento da nota oficial da Saudi Food and Drug Authority (SFDA) sobre a suspensão na véspera (16).

VEJA MAIS: Cade inicia investigação contra BRF e JBS

Em comunicado ao mercado, a companhia informou que a medida atinge as unidades de Dois Vizinhos e Francisco Beltrão, ambas no Paraná, sendo que apenas a primeira vinha exportando para a Arábia Saudita, com um volume de aproximadamente 6 mil toneladas/mês.

“A companhia já iniciou os ajustes de redirecionamento de produção para suas demais plantas até que os fatos sejam devidamente esclarecidos, possuindo ainda cinco plantas habilitadas para a Arábia Saudita. As fábricas de Dois Vizinhos e Francisco Beltrão serão utilizadas, a partir deste momento, para atendimento de outros mercados”, afirmou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A BRF também reiterou que tem cooperado irrestrita e continuamente com as autoridades brasileiras e internacionais na elucidação dos supostos fatos e não tolera quaisquer desvios de qualidade e integridade em seu processo produtivo.

“Dessa forma, intensificou e expandiu sua estrutura de controles internos, compliance e qualidade nos últimos anos com o intuito de garantir estrita aderência a toda e qualquer legislação sanitária mundial.”

No final de 2019, o Ministério Público Federal do Paraná denunciou 11 pessoas no âmbito da operação Trapaça envolvendo a BRF, na qual os procuradores acusam empregados da empresa de usar “substâncias proibidas pela legislação brasileira no fabrico de compostos adicionados à ração”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: