Bayer vê lucros crescerem de 7% a 9,6% em 2020

Companhia projetou que resultado deve atingir entre € 12,3 bilhões e € 12,6 bilhões.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Wolfgang Rattay/Reuters
Wolfgang Rattay/Reuters

Bayer afirmou que sua projeção não inclui nenhum impacto da epidemia de coronavírus

Acessibilidade


A Bayer disse hoje (27) que tem como meta um crescimento de entre 7% e 9,6% no lucro ajustado de suas principais operações, com o impulso vendas de produtos agrícolas e farmacêuticos.

A companhia, que tem enfrentado custosas ações judiciais após acusações de que um de seus herbicidas com base em glifosato causa câncer, projetou que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado deve atingir entre € 12,3 bilhões e € 12,6 bilhões, ante € 11,5 bilhões em 2019.

LEIA MAIS: Presidente do conselho da Bayer deixa cargo em meio a disputas sobre Roundup

Analistas projetavam € 12,6 bilhões, segundo consenso de projeções publicado no site da companhia, ou € 12,5 bilhões segundo dados da Refinitiv.

A Bayer afirmou que sua projeção não inclui nenhum impacto da epidemia de coronavírus.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Bayer também disse que o crescimento no número de ações que culpam os herbicidas com glifosato da companhia por casos de câncer teve alguma desaceleração, ao atingir 48,6 mil casos até 6 de fevereiro. Em outubro de 2019, o número havia mais que dobrado em apenas três meses, para 42,7 mil.

A companhia afirmou que segue em negociações para avaliar se é possível fechar acordos “em termos razoáveis” que seriam estruturados “de maneira a levar essa série de litígios a uma conclusão razoável”.

O Ebitda ajustado da companhia no quarto trimestre cresceu em 26,4%, para € 2,48 bilhões, dentro das expectativas de analistas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: