Visa concede à Coinbase emissão de cartões de débito em bitcoin

Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Essa é a primeira parceria da Visa com uma companha cripto para a emissão de cartões de crédito

A gigante dos cartões de crédito Visa ofereceu seu principal membership a uma empresa de criptomoeda pela primeira vez. Oficialmente concedida à Coinbase em troca de criptomoedas em dezembro, mas não revelada ao público até hoje, a associação corta um intermediário crucial e caro do processo de emissão de um cartão de débito que permite aos usuários gastar seu próprio bitcoin, ether e XRP em qualquer lugar que aceite Visa.

LEIA MAIS: Especialistas alertam que alta do bitcoin pode ser passageira

Talvez ainda mais importante, ser membro principal faz da Coinbase a primeira empresa de criptomoedas com o poder de emitir cartões de débito para outras pessoas, incluindo outras empresas de criptomoeda e companhias mais tradicionais. A Visa confirmou que concedeu à Coinbase a associação principal, esclarecendo que a própria empresa não aceitará criptomoeda quando o projeto for lançado no final deste ano.

Embora a Coinbase diga que não planeja emitir cartões para outras pessoas tão cedo, o status de associação principal marca um novo fluxo de receita potencialmente importante para a empresa, que, segundo a Forbes, teve um declínio de 40% nos ganhos no ano passado. Ao simplificar o processo de gasto em criptomoeda em qualquer lugar que aceite Visa, o acordo também estabelece as bases para uma potencial explosão de bitcoin, ether, XRP e outros, como uma maneira de comprar itens do dia a dia, independentemente de o próprio comerciante aceitar criptomoeda.

“Seus investimentos em bitcoin nunca foram líquidos porque, para vender, você precisa passar por um processo, sacar o dinheiro e depois gastá-lo. Nunca foi: ‘Ah, vou pedir esta xícara de café e pagar com bitcoin’”, diz Zeeshan Feroz, CEO da Coinbase UK, que recebeu o membership. “O que o cartão está tentando mudar é a mentalidade de que a criptografia está escondida, leva dois dias para ser acessada e agora pode ser gasta em tempo real”.

Gerenciado pela subsidiária da Coinbase no Reino Unido, com sede em Dublin, o cartão que automatiza a conversão de criptomoeda em qualquer moeda que o comerciante aceite estará disponível em 29 países quando for lançado pela primeira vez no final deste ano, incluindo Dinamarca, Estônia, França, Alemanha , Irlanda, Itália, Holanda, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia e Reino Unido.

Simplificando ainda mais o processo de realmente gastar criptomoedas, as nove criptomoedas disponíveis no cartão, incluindo litecoin, bitcoin cash, BAT do Brave, REP de Augur, ZRX de 0x e ZRX de 0x e lúmen de Stellar, provavelmente não estarão sujeitas a impostos pesados ​​sobre ganhos de capital no ponto de venda. Ao contrário dos EUA, a UE não exige que os compradores paguem impostos adicionais sobre a diferença de preço com base em quando uma criptomoeda foi comprada e quando foi gasta.

Feroz diz que o acesso direto à rede Visa dá à troca de criptomoedas mais flexibilidade nos modelos de negócios que ela busca. Um cartão Coinbase Visa anterior foi emitido em abril de 2019 pela empresa de serviços financeiros Paysafe Group Holdings Limited, que avalia seus clientes, incluindo a empresa de gastos corporativos Soldo e o aplicativo de banco móvel Lunar, e cobra uma taxa pelo serviço. “Você depende do apetite por riscos e dos modelos com os quais gostariam de trabalhar”, diz Feroz. “A associação direta nos permite assumir o controle de nosso programa de emissão.”

VEJA TAMBÉM: Bitcoin atinge maior nível desde setembro

Enquanto as taxas que os comerciantes tradicionalmente pagam aos seus bancos para aceitar cartões de crédito e débito permanecerão as mesmas de qualquer outro cartão, as da Coinbase podem eventualmente ser reduzidas como resultado da associação. Embora Feroz tenha se recusado a compartilhar o valor exato que a Coinbase pagou à Paysafe para emitir seus cartões, citando um acordo de não divulgação, a remoção desse custo deverá resultar em taxas reduzidas para o usuário final.

Atualmente, a Coinbase cobra US$ 0,99 por transações inferiores a um dólar, tornando o uso do cartão um empreendimento caro, com maior probabilidade de ser realizado por apoiadores filosóficos da criptomoeda e aumentando as taxas em relação ao tamanho da compra. Se essas taxas forem reduzidas como resultado da associação, os proprietários de cartões existentes precisarão solicitar novamente um novo cartão emitido diretamente pela Coinbase para se beneficiar. “A associação direta nos dá mais eficiência de custos”, diz Feroz. “E, finalmente, à medida que escalamos o programa, o objetivo é transmitir essas eficiências de custo aos nossos clientes.”

Feroz diz que o Reino Unido é o maior e mais ativo mercado de cartões de débito da Coinbase, com base nos padrões de uso do cartão anterior, seguido por Itália, Espanha e França, com quase metade dos atuais proprietários de cartões sendo usuários ativos, fazendo compras que variam de “muitos” milhares de euros para itens de alto valor agregado a algumas libras por um café, diz ele, acrescentando: “Estamos vendo uma expansão bastante uniforme”.

Historicamente, a receita de trocas de criptomoedas como a Coinbase está diretamente ligada ao preço da criptomoeda, com as taxas cobradas na moeda fiduciária aumentando quando o preço é alto e diminuindo quando cai. Por exemplo, a própria Coinbase viu uma queda de receita estimada em 40% no ano passado, de US$ 1,3 bilhão em 2018, quando a receita incluiu o aumento monumental do preço do bitcoin no ano anterior para o que a Forbes acredita que será de US$ 800 milhões neste ano. Feroz reconheceu que as taxas cobradas das empresas fora do espaço de criptomoeda poderiam eventualmente se tornar uma nova fonte de receita, menos dependente das flutuações nos preços das criptomoedas, acrescentando, no entanto, que atualmente não faz parte do plano. “Nosso foco principal é criar nossos próprios serviços”, diz ele.

Para se ter uma ideia de quanto está em jogo, o setor emissor de cartões de crédito no ano passado gerou receita de US$ 107 bilhões e lucro de US$ 24 bilhões cobrando essas e outras taxas a empresas como a Coinbase, de acordo com um relatório da empresa de pesquisa IBIS World. Além do trabalho anterior da Paysafe com a Coinbase, o Metropolitan Commercial Bank atualmente emite um cartão Visa para as empresas de bitcoin BityPay e Crypto.com, enquanto a empresa europeia DiPocket Limited, emite o credor de criptomoedas Nexo’s Mastercard.

“Nosso trabalho com fintechs, como a Coinbase, inclui ajudá-los a escalar, fazer parceria com eles na emissão e dar acesso a APIs para que eles possam criar novos produtos em nossa rede”, disse Terry Angelos, chefe global de fintech da Visa em um comunicado à Forbes. Por exemplo, além de poder emitir cartões de crédito, o status da Coinbase como membro principal da Visa dá acesso ao Visa Direct, um mecanismo de pagamentos que já oferece aos usuários da Square, Venmo e Zelle a opção de receber pagamentos instantaneamente por uma taxa, semelhante a uma transferência bancária tradicional, em vez de esperar três dias úteis usando os trilhos de pagamento ACH tradicionais. “Ser um membro principal da Visa, na verdade se estende além dos cartões emissores”, diz Feroz.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).