Conheça a startup de mineração de bitcoin do Texas apoiada por Peter Thiel

Getty Images
Getty Images

A mineração do bitcoin exige tecnologia de ponta e um alto consumo de energia

Para ganhar dinheiro com a mineração de criptomoedas, você precisa de microprocessadores rápidos e eletricidade barata. Também ajuda estar em um clima frio, porque uma sala cheia de computadores libera muito calor, o que os torna mais lentos. É por isso que os maiores mineradores do mundo tendem a se instalar em lugares como a Islândia, com sua abundante energia geotérmica ou o estado de Washington e o interior de Nova York, que desfruta de energia hidrelétrica barata.

Ou seja, parecia estranho que uma startup de mineração cripto chamada Layer1 Technologies escolhesse como centro de operações uma parte vazia do oeste do Texas, que sofre em mais de 30ºC por quase metade do ano. Mesmo no inverno, pode ficar quente. “Eu estava suando”, disse Alex Liegl, CEO da Layer1, que esteve lá recentemente a 160 quilômetros a oeste de Midland, montando as duas primeiras fábricas de bitcoin da empresa –contêineres cheios de mineradores de bitcoin. “Se fossem resfriados a ar, os processadores queimariam”, diz ele. Mas eles não são. Em vez disso, as máquinas de mineração são imersas em cubas de líquido –uma solução não condutora que as mantém frescas.

LEIA MAIS: É possível hackear a rede do bitcoin? Nós respondemos

Mas por que passar por tudo isso? Porque o verdadeiro atrativo do oeste do Texas é sua energia barata. Não estamos falando sobre os principais pilares de petróleo e gás do Texas, mas sobre o vento. O Texas é de longe o maior gerador de energia eólica dos Estados Unidos, com 29.000 megawatts instalados e 7.600 MW em construção. Se o estado fosse um país, seria o quinto em energia eólica em todo o mundo. Quando as rajadas chegam à noite, a energia gerada costuma ser tão abundante que os operadores da rede precisam pagar aos clientes para usá-la.

Isso deixa os mineradores animados. “É a energia mais barata do mundo, em escala”, diz Liegl, que cofundou a Layer1 em 2017, ao lado de Jakov Dolic, que anteriormente cofundou o que é considerado o maior provedor de serviços de mineração de nuvem de bitcoin do mundo, chamado Genesis Mining.

No ano passado, a Layer1 recebeu um investimento de US$ 50 milhões em dinheiro de investidores liderados pelo bilionário Peter Thiel, ao lado da Shasta Ventures e do Digital Currency Group. Isso elevou o valor da Layer1 para US$ 200 milhões e deu a Liegl o capital necessário para adquirir uma subestação elétrica inteira capaz de lidar com 100 megawatts e 30 acres de terra em que eles pretendem instalar uma vila composta por dezenas de suas fábricas de bitcoin baseadas em contêineres, cada uma com 2,5 mw (o suficiente para alimentar mais de 1.000 residências).

A estratégia da Liegl é tornar a Layer1 independente de quaisquer fornecedores ou prestadores de serviços terceirizados. Dessa forma, ele pode ter certeza de que, mesmo quando os preços do bitcoin subirem e os fornecedores aumentarem seus valores, a economia da Layer1 será isolada. É por isso que a empresa está fabricando seus próprios processadores e equipando seus próprios contêineres em fábricas na China e na Croácia. “Queremos evitar todos os riscos e estar no ponto em que ninguém pode tirar nossa vantagem”.

Também há uma oportunidade de arbitragem de poder. No verão, quando os aparelhos de ar condicionado em Dallas, Houston e Austin estão a todo vapor, o preço da eletricidade no Texas às vezes aumenta para níveis inimagináveis. Quando isso acontecer, a Layer1 poderá ganhar mais dinheiro desligando suas máquinas de mineração e permitindo que a energia flua através de sua subestação para a rede. “Podemos estabilizar a rede vendendo capacidade de corte apertando um botão”, diz Liegl.

Liegl cresceu na Alemanha e estudou matemática e filosofia em Stanford. Ele foi exposto ao bitcoin pela primeira vez durante um período trabalhando no balcão de investimentos especiais da Stanford Management Company (que recebe doações no valor de US$ 27 bilhões). O CEO descreve Peter Thiel como um “conversador revigorante, que segue a árvore lógica e depois prossegue” e que vê o bitcoin como um barreira útil contra erros de política do banco central. Liegl credita o investimento de Thiel à possibilidade de a Layer1 obter uma vantagem de primeiro motor em suas máquinas de mineração resfriadas a líquido. É mais fácil manter o líquido resfriado do que o ar, e Liegl alega que a Layer1 é capaz de “fazer o overclock” de seus processadores, executando-os essencialmente com o dobro da taxa que seria possível em um espaço com ar condicionado. Além disso, o líquido afasta a poeira.

Liegl está convencido de que suas máquinas evitarão a obsolescência por pelo menos cinco anos, porque os ciclos de chips aumentaram. “Os chips têm pouca diferenciação agora; eletricidade mais barata e refrigeração mais eficiente são os mais importantes.”

A Layer1 não diz quantos bitcoins espera minerar no Texas este ano. Liegl afirma que eles são lucrativos o bastante para que ele já esteja pensando em realizar uma oferta pública inicial de ações para “escalar de maneira não linear” e potencialmente preencher a “posição vaga de ser a empresa de mineração de bitcoin”. Ele prevê, com o tempo, máquinas suficientes para consumir 1 gigawatt de energia.

E o que acontece se o vento barato acabar? “Meu sonho pessoal é possuir uma usina nuclear no futuro.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).