Economia da China tomba após coronavírus imobilizar fábricas e consumo

Produção industrial despencou no ritmo mais forte em três décadas nos dois primeiros meses do ano

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Sebastian Kahnert_picture alliance via Getty Images
Sebastian Kahnert_picture alliance via Getty Images

O desemprego da China alcança níveis alarmantes

Acessibilidade


A produção industrial da China despencou no ritmo mais forte em três décadas nos dois primeiros meses do ano uma vez que o coronavírus e as severas medidas de restrição afetaram a segunda maior economia do mundo.

O investimento urbano e as vendas no varejo também caíram acentuadamente e pela primeira vez, alimentando visões de que a economia da China provavelmente estagnou ou mesmo contraiu no primeiro trimestre, e que autoridades precisarão fazer mais para ressuscitar a atividade.

LEIA MAIS: China amplia quarentenas e controles em aeroportos após alta em casos importados de coronavírus

A produção industrial despencou 13,5% em janeiro-fevereiro na comparação com o mesmo período do ano anterior, mostraram hoje (16) dados da Agência Nacional de Estatísticas.

Essa foi a leitura mais fraca desde janeiro de 1990, quando os registros da Reuters começaram, e uma forte reversão do crescimento de 6,9% em dezembro. A expectativa em pesquisa da Reuters era de um aumento de 1,5%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os números fracos levaram alguns analistas a reduzirem ainda mais suas estimativas para o desempenho econômico do primeiro trimestre, e podem também significar que Pequim precisa reavalir sua meta de expansão para 2020.

A China ainda não divulgou publicamente sua meta, que seria normalmente anunciada no início da reunião anual do Parlamento. Ela estava marcada para 5 de março, mas foi adiada devido ao surto.

A agência de estatísticas disse em comunicado hoje que o impacto do coronavírus é controlável e de curto prazo, e que as autoridades vão fortalecer as políticas pró-crescimento.

O investimento caiu 24,5% em janeiro-fevereiro sobre o ano anterior enquanto o investimento privado despencou 26,4%.

As vendas no varejo encolheram 20,5% uma vez que consumidores evitaram locais lotados.

A taxa de desemprego da China subiu a 6,3% em fevereiro, de 5,2% em dezembro, atingindo o nível mais alto desde que os registros oficiais começaram a ser publicados.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: