Aérea norte-americana Southwest tem 1º prejuízo trimestral em 9 anos

Resultado foi pressionado pelo impacto das medidas de isolamento social adotadas devido ao coronavírus.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Forbes
Forbes

Assim como outras companhias aéreas, Southwest sofre com a crise e reporta baixa histórica

Acessibilidade


A Southwest Airlines divulgou hoje (28) prejuízo líquido de US$ 94 milhões no primeiro trimestre, o primeiro resultado trimestral negativo em nove anos, pressionada pelo impacto das medidas de isolamento social adotadas na tentativa de frear o coronavírus.

Além do prejuízo dos três primeiros meses do ano, a empresa afirmou que não vê melhora significativa no cenário da indústria no segundo trimestre.

LEIA MAIS: Ações da Embraer desabam após fracasso em acordo com Boeing

A Southwest teve prejuízo líquido de US$ 94 milhões no trimestre encerrado em 31 de março ante lucro de US$ 387 milhões obtido um ano antes.

A receita operacional total caiu 17,8%, para US$ 4,2 bilhões. A empresa também informou que o faturamento caiu entre 90% e 95% em abril e maio, meses em que não espera que a taxa de ocupação de seus aviões supere os 10%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar de ter mais compras de passagens em junho e julho, em uma malha de voo drasticamente reduzida, a companhia afirmou que não pode estimar tendências de receita além de maio.

“Não temos ideia sobre como serão os cancelamentos…não há forma de se sentir confortável com o que vai acontecer com estas reservas”, disse o presidente-executivo da Southwest, Gary Kelly.

A companhia aérea está recebendo cerca de US$ 3,3 bilhões em ajuda governamental para pagamento de salários e informou que está considerando acessar uma linha de financiamento adicional de US$ 2,8 bilhões disponibilizada pelo governo norte-americano, entre outras medidas de liquidez.

A Southwest tinha até 24 de abril caixa e equivalentes de US$ 9,3 bilhões. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: