Brasil tem recorde de 474 mortes por Covid-19 em 24 horas e supera China

REUTERS_Ricardo-Moraes
REUTERS_Ricardo-Moraes

Com os novos números, o Brasil já ultrapassa 5.000 mortes

O Brasil registrou 474 mortes pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, um novo recorde diário, e ultrapassou a marca de 5 mil óbitos no total em decorrência da Covid-19, informou hoje (28) o Ministério da Saúde.

Ao todo, o país tem 5.017 mortes relacionadas à doença provocada pelo novo coronavírus, ante 4.543 até o dia anterior. O Brasil agora superou a China – epicentro inicial da pandemia de Covid-19 – em número de mortes divulgadas oficialmente. O país asiático tem 4.633 mortes confirmadas, de acordo com números oficias.

LEIA MAIS: Governo prorroga por 30 dias restrição a entrada de estrangeiros no Brasil

Nesta terça-feira o Brasil também registrou 5.385 novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas – o segundo maior aumento diário desde o início do surto no país -, elevando o total para 71.886 casos.

A taxa de letalidade por Covid-19 está em 7%, de acordo com o ministério.

O país tem ainda 34.325 casos de coronavírus em acompanhamento, ou 48% do total. Outros 32.544 casos são tratados como recuperados, o que representa 45%. Ainda há 1.156 mortes sob investigação, segundo o ministério.

Até a semana passada, o Brasil havia registrado mais de 3 mil novos casos diários apenas em duas ocasiões. Nos últimos dias, porém, o patamar foi facilmente superado, com o menor dos avanços no período sendo de 3.379 casos, no dia 26.

A contagem de óbitos segue curso semelhante. Desde a última quarta-feira (22), quando bateu o recorde anterior de mortes em 24 horas, com 407, o país registrou mais de 300 mortes diárias todos os dias com exceção de domingo (26), quando foram relatados 189 óbitos.

Esses saltos tanto no registro de mortes quanto de infectados ocorrem no momento em que governadores e prefeitos têm dado sinais de adotar medidas de relaxamento de distanciamento social.

O presidente Jair Bolsonaro tem sido um dos principais defensores de retomar o quanto antes a atividade econômica, a despeito do avanço do novo coronavírus. Alega, de modo geral, que o desemprego pode ter maior impacto do que o combate à Covid-19.

Nesta terça, o governo não realizou a entrevista coletiva diária para comentar as ações referentes ao combate à pandemia. O ministro da Saúde, Nelson Teich, também só realizou uma entrevista coletiva técnica com a equipe desde que tomou posse, em 17 de abril.

O ministro da Saúde deve participar amanhã (29) de sessão remota do Senado, por videoconferência, para falar das ações da pasta no combate à crise do coronavírus, incluindo as providências tomadas em relação a Estados e municípios. O convite a Teich foi aprovado pelos senadores na noite da segunda-feira.

São Paulo continua sendo o Estado mais afetado pela doença no Brasil, com 24.041 casos – avanço de 2.345 em relação à véspera – e 2.049 mortes, sendo 224 óbitos nas últimas 24 horas, segundo o ministério.

Rio de Janeiro vem em seguida com 8.504 casos e 738 mortes no período. O Ceará está logo em seguida com número de casos, com 6.918, e é o quarto em mortes, 403. Pernambuco tem um registro menor de casos, 5.724, mas teve mais óbitos, 508.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).